quinta-feira, 24 de maio de 2018

VIOLÊNCIA PSICOLÓGICA



As relações dramáticas, humilhações, desprezo, como a violência psicológica, não só leva as doenças físicas como também podem levar ao suicídio. É de radical importância cuidar da saúde mental e não manter relações que causam torturas psicológicas. O bem-estar físico e emocional é tudo para vida feliz!

3 sinais que a violência psicológica deixa no corpo

A violência psicológica deixa marcas não só mentais, mas também físicas. Prova disso são doenças que a ciência considera como complexas de tratar, já que são enfermidades que não obedecem a causas ou origens possíveis de serem eliminadas com algum medicamento da farmácia.

Embora sabemos que o corpo e a mente formam uma unidade, na prática costumamos vê-lo como algo separado. Porém, tudo o que afeta as emoções transforma diretamente o organismo. E um fenômeno tão impactante quanto à violência psicológica não pode ser tratado com menosprezo.

As marcas da violência psicológica podem ser tão graves quanto à da física. A seguir falamos de 3 sinais mais importantes que a violência psicológica deixa no corpo.

1. Gastrite nervosa: Uma possível marca da Violência psicológica.

A gastrite é a inflamação da mucosa gástrica, aquela “capa” que envolve o estômago por dentro. Os principais sintomas dessa doença são a dor abdominal aguda, uma sensação de ardor na barriga e muita acidez estomacal. Tais sintomas podem ser incapacitantes.

Este tipo de gastrite está acompanhada por alguns sintomas emocionais. Os mais visíveis são a inquietude, preocupação, estresse, nervosismo e tensão. A principal causa desse “combo” de sentimentos é chamada de ansiedade generalizada, com suas múltiplas características.

A gastrite nervosa é em muitos casos uma marca física da violência psicológica que a pessoa se auto-inflige. Há uma auto-exigência muito alta e isso conduz a uma constante tensão emocional. Desencadeando um episódio de estresse e, com o tempo, conduz ao sentimento ansioso generalizado. O afetado não escuta o que diz seu corpo. Se agride e causa dano a si mesmo, muitas vezes sem se dar conta.

2. Hipertensão

A hipertensão é outra dessas consequências que podem derivar da violência psicológica. O ser humano vem filogeneticamente preparado para reagir diante das situações de perigo. Tanto seu corpo, como sua mente, respondem ao perigo desencadeando reações que buscam a preservação da vida.

A pressão arterial se eleva quando há um sinal de perigo e o corpo deve se preparar para defender-se ou buscar ajuda. Quando o perigo desaparece, a tensão volta ao seu ritmo normal. Se o perigo está na mente, então se experimenta uma situação de risco constante, que, por sua vez, faz que a pessoa mantenha uma tensão alta para poder se manter alerta.

Quem se sente atacado ou menosprezado constantemente tende a ter predisposição para desenvolver hipertensão. Em outras palavras, quem permanece em uma posição defensiva diante de uma situação de violência psicológica sofrida. A hipertensão é comum em pessoas que continuam em situações conflituosas e, muitas vezes, perigosas para sua integridade.

3. Derrames oculares.

Os derrames oculares são essas hemorragias que às vezes aparecem na parte branca do olho (esclerótica). O usual é que este tipo de hemorragias não produção basicamente nenhum sintoma. Não doem, não afetam a visão nem tampouco ocasionam moléstias no olho. Simplesmente aparecem um dia qualquer e logo vão sumindo. A ciência desconhece a causa pela qual isto se produz. No entanto, há algumas hipóteses a respeito.

Do ponto de vista psicossomático, o derrame ocular pode falar de violência psicológica. Podemos interpretar como um golpe emocional recebido na cara, mas cujas causas e consequências foram reprimidas. O corpo reage como se efetivamente tivesse recebido um golpe no rosto, mesmo que este não seja um golpe físico.

O derrame ocular pode ser interpretado como uma ferida por aquilo que foi visto ou se vê não necessariamente de maneira física. É uma forma que a mente tem de expressar, através do corpo, que está sofrendo com o panorama que contempla. Isto se dá em condições de violência psicológica.

Infelizmente, muitas vezes não se dá a mesma importância para a saúde emocional dada a saúde física, como se fosse possível separá-las e tivessem relevâncias distintas. Este é um erro grave. As experiências negativas, como a violência psicológica, não só leva a enfermidades físicas como também podem conduzir a morte. Neste sentido, cuidar das nossas relações é também preservar a nossa vida.

Violência Psicológica

Por ser subjetiva e, por isso, de difícil identificação, a violência psicológica, na maioria dos casos, é negligenciada até por quem sofre - por não conseguir perceber que ela vem mascarada pelo ciúme doentio, manipulação, controle, humilhações, ironias e ofensas.

Segundo definição da OMS (Organização Mundial da Saúde) ela é entendida como:

Qualquer conduta que lhe cause dano emocional e diminuição da autoestima ou que lhe prejudique e perturbe o pleno desenvolvimento ou que vise degradar ou controlar suas ações, comportamentos, crenças e decisões, mediante ameaça, constrangimento, humilhação, manipulação, isolamento, vigilância constante, perseguição contumaz, insulto, chantagem, ridicularização, exploração e limitação do direito de ir e vir ou qualquer outro meio que lhe cause prejuízo à saúde psicológica e à autodeterminação.

A forma como é feita a violência psicológica provoca adoecimento físico e do mesmo modo produz vergonha, medo, humilhação, angústia, estresse, depressão que deixa cicatrizes psicológicas profundas. As pessoas que sofrem tortura psicológica muitas vezes precisam de tratamento psicoterapêutico para conseguir superar o trauma que pode levar ao afastamento da sociedade ou, em casos extremos, conduzir ao suicídio.

Dr. A. Inácio José do Vale

Psicanalista Clínico, PhD

Professor e Conferencista

Membro da Sociedade Brasileira de Psicanálise Contemporânea/RJ. E da Ordem Nacional dos Psicanalistas/RJ.




Fontes:


https://lamenteesmaravillosa.com/3-senales-que-la-violencia-psicologica-deja-en-el-cuerpo/



Nenhum comentário:

Postar um comentário