quarta-feira, 15 de novembro de 2017

PE. RICARDO DIAS NETO




O PADRE RICARDO É O GORDINHO, SEGUNDO DA DIREITA PARA A ESQUERDA

Consegui gravar um vídeo com a voz do Pe. Ricardo num curso de canto dos anos 90, a música PRA CONSOLAR MARIA. Não sei lidar com isso, mas dá para ouvir. Clique aqui:
VÍDEO COM A VOZ DO PE. RICARDO


ESTE VÍDEO A SEGUIR É A MESMA MÚSICA, MAS COM GRAVAÇÃO DO FREDERICO, DO GRUPO DISPA




BENDITOS DE MEU PAI


 E EXPOSIÇÃO DO CAIXÃO MORTUÁRIO. 
Mesma música, Herdeiros do Reino,  cantada pelo povo na missa de corpo presente. O corpo veio de Roma, onde ele estava morando, vários dias após sua morte. 



AVE-MARIA DAS EQUIPES DE N. SRA.



O comentário é de quem postou o vídeo no Youtube: 

"Linda música de autoria do Padre Ricardo Dias Neto (mai/1985). O padre e jornalista Ricardo Dias Neto, morreu com 56 anos. Ele era o diretor responsável pela edição em Língua Portuguesa do jornal L'Osservatore Romano, órgão oficial da Igreja Católica, e colaborava com a Rádio Vaticano.(Dominus Vobiscum). Pe Ricardo faleceu no início deste mês em Roma" (out 2007)

(A música Herdeiros do Reino foi retirada do público).

Músico, compositor, poliglota (falava várias línguas), literato, excelente sacerdote, esmerado na liturgia, mestre em etiqueta e em relacionamento com as pessoas de todas as classes. Era refinado em suas atitudes, mas viera de um berço humilde.

Quem conta isso é o meu amigo padre, completamente oposto ao Pe. Ricardo: simples, sem nenhuma etiqueta, nem músico, nem poliglota (arranha um pouco de inglês, francês, espanhol e latim), mas com certa capacidade na escrita referente a poesias, textos de catequese, crônicas e reflexões, e também um bom pregador.

Eram amigos, justamente por causa dessa oposição nos dotes. O ponto em comum estava na poesia e na literatura, incluindo filmes e certos tipos de música.

O padre Ricardo foi morar no Vaticano. Ultimamente era responsável pela edição em português do Osservatore Romano. Chegou a tocar piano a quatro mãos com o papa Bento XVI.

Quando ainda morava no Colégio Pio Brasileiro, de Roma escreveu uma carta ao meu amigo. Terminou a carta dizendo: Bem, agora são quatro horas da tarde e eu vou tomar meu chá inglês na chícara de porcelana chinesa, ouvindo o Rackmaninof (um dos mais sofisticados compositores)”.

O meu amigo, caipirão, respondeu e terminou sua carta dizendo: “Bem, agora são três horas da tarde, e eu vou tomar meu chá mate Leão, no copo de geleia da Cica, ouvindo o Chitãozinho e Xororó”.

O Pe. Ricardo riu muito e um dos seus colegas, voltando ao Brasil, contou que mostrava a carta a todos.

Outro fato na vida do Pe. Ricardo foi quando deixara sobre a mesa de trabalho uma florzinha chamada Edelweis (edelváis), que só cresce nos Alpes Austríacos, e que uma paroquiana, vinda de lá, lhe dera.

Chegando de uma visita que fizera, procurou a florzinha para guardá-la e não a encontrou. Perguntou, então, à empregada, D. Iolanda:

“Onde está a minha edelweiss?”

- “Éde o quê, Pe. Ricardo?”

Ele lhe explicou. Ela lhe informou:

Ah! Aquela florzinha seca? Eu a joguei no lixo!”

O resultado da história é que ambos ficaram remexendo o lixo até encontrar a tal florzinha.

Um outro fato do padre aconteceu num passeio a Campos de Jordão com vários de seus colegas padres. Certa noite ele voltava de um passeio pela cidade. Todos os outros tinham os olhos fitos na tevê. Ele chegou, cumprimentou-os com um “boa-noite” e ninguém lhe respondeu. Sem pensar suas vezes, ficou defronte com a tevê, ajoelhou-se para ela e lhe fez uma lenta reverência, como se a adorasse. “Caiu a ficha” dos colegas, que riram e perceberam que pregavam tanto o desapego à tevê e não tiveram ânimo para desligar-se dela a fim de cumprimentar o colega.

Quando o Pe. Ricardo precisava resolver algum problema sério, procurava o meu amigo para desabafar e pedir uma opinião. Foi após um desses desabafos que ele compôs essa música do vídeo que vocês podem assistir aqui: “Pra Consolar Maria”.

O Pe. Ricardo morreu em Roma, na Praça de S. Pedro, a 04 de outubro de 2007. Tinha  56  anos de idade. Que saudade! 

Nós, que ainda estamos vivos, temos um "tempinho" de gorjeta. Como o aproveitaremos? Como nos aprofundar no relacionamento com os irmãos? Como ajudá-los?

O Pe. Ricardo e tantos outros que morreram jovens não têm mais esse tempo. Ele já deve estar "regendo o coral celeste", como diz numa de suas músicas. Meu amigo, que o conheceu bem, lhe disse uma vez em tom de brincadeira: "Não é muita pretensão sua reger o coral celeste?"

Gente, vamos agradecer a Deus por termos ainda um tempinho de sobra e recomeçar nossa vida, numa vida mais santa!


(Teófilo Aparecido, 18/02/2013)

Nenhum comentário:

Postar um comentário