terça-feira, 18 de julho de 2017

MINHA FÉ 8- A IGREJA CATÓLICA


É incrível como nossa Igreja é perseguida. Tanto os evangélicos e protestantes como os da Testemunhas de Jeová dizem que fomos “fundados” pelo imperador Constantino, no século quarto. 

Isso é pura asneira! Há muitos escritos extra bíblicos, como os de São Justino, que narram a Igreja como ativa e nos moldes da Igreja atual, inclusive a Eucaristia e os bons costumes. Esse santo viveu no início do segundo século e morreu por volta do ano 165.

No Ofício das Leituras do 3° domingo da Páscoa. Há um texto dele que fala da Eucaristia, afirmando a realidade da presença real de Jesus: a Eucaristia é o próprio Corpo e Sangue de Jesus imolado por nós, e não um simples símbolo, como pensam os protestantes e evangélicos. Eis um trecho:

“(...) O alimento consagrado mediante a oração (não tomamos esse alimento como pão comum ou como bebida comum), que contém suas (de Cristo) verdadeiras palavras, é o Corpo e o Sangue de Jesus que se encarnou”.

Mais adiante ele fala sobre o motivo pelo qual guardamos o domingo e não o sábado: “Reunimo-nos todos no dia do Senhor (é o significado da palavra domingo), visto ser ele o primeiro dia no qual Deus, mudando as trevas e a matéria, criou o mundo, e porque neste mesmo dia Jesus Cristo Salvador ressuscitou dos mortos. Com efeito, um dia antes de Saturno (sexta-feira), crucificaram-no e no dia seguinte a este (do dia de Saturno), isto é, no dia do sol (atual domingo), apareceu a seus apóstolos e discípulos e lhes ensinou estas coisas que propus à vossa consideração”.

Antes desse trecho ele descreve praticamente uma de nossas missas atuais. Um terceiro motivo, não mencionado, é justamente o fato de que o dia do sol era feriado e, enquanto os pagãos cultuavam o deus Sol, os cristãos cultuavam o Jesus, o verdadeiro Sol que veio ao mundo nos iluminar, e faziam isso nas catacumbas, onde celebravam as Missas. 

Eu amo, amo de verdade a nossa Igreja, por muitos motivos. Vou dizer alguns:

1- Nossa liturgia permite que vejamos, durante o espaço de um ano, com os próprios olhos, a encarnação, morte e ressurreição de Jesus. É como uma bíblia viva! 

2-Só nossa Igreja (e umas poucas, antigas) tem a presença feminina de Nossa Senhora, que enfeita e suaviza com um perfume inefável nossa vida terrena.

3- Os sacramentos nos dão uma gostosa segurança de estamos no caminho certo para o céu. Como diz Santo Tomás de Aquino, “É melhor mancar no caminho certo do que andar (ou correr) pelo caminho errado”.

4- Nossa Igreja Católica tem a sucessão apostólica, que garante a sucessão do mandato dado aos apóstolos por Jesus, por parte do papa e dos demais bispos. É essa sucessão apostólica que torna válida a consagração do pão e do vinho como Corpo e Sangue de Jesus, feita na missa, como diz acima São Justino, assim como os demais sacramentos.

Jesus consagrou (ordenou) os apóstolos, estes consagraram (ordenaram) seus discípulos (São Policarpo, por exemplo, foi ordenado por São João Apóstolo. Santo Irineu, por São Policarpo). Os discípulos, por sua vez, arrebanhavam outros discípulos e os ordenavam, transmitindo assim o mandato de Jesus até os dias de hoje. Sempre digo que se eu puser o dedo na tomada, o choque vai passar por todos os sucessivos antecessores, até chegar a Jesus Cristo, que vai sentir o choque. 

Lutero, Calvino e outros fundadores quebraram essa sucessão apostólica de modo que, mesmo nas igrejas que costumam chamar seus dirigentes de “bispos”, como a Igreja Universal, estes são simples leigos, ou seja, não pertencem à classe sacerdotal, pois não foram validamente ordenados por pessoas que estavam dentro da sucessão apostólica. 

Gosto muito da variedade de opções que há em nossa Igreja em relação aos grupos de trabalho comunitário de grupos de vida, como o Apostolado da Oração, o atendimento aos pobre, a farmácia comunitária, os grupos de rua, as CEBs, o atendimento aos doentes, o RCC, as equipes de N. Senhora, a catequese, os grupos de jovens, o grupo de liturgia, os vicentinos etc. A gente se encaixa em algum trabalho que agrade! Isso é bom para que nos sintamos à vontade com o trabalho apostólico que realizamos...

6- Nossa Igreja é Una, Santa, Católica, ou seja, professamos uma só fé, uma só doutrina, um só Batismo, temos como centro de união Jesus Cristo no céu e na terra, e o papa aqui na terra. Todos são convidados a participar.

7- A hierarquia a torna mais organizada, como Jesus quis. Lutero percebeu a bobeira que fizera ao separar-se de Roma porque logo começou a divisão, com a ideia de que era lícito o livre exame das escrituras, sem se prestar obediência a nenhuma autoridade eclesiástica. 

8- Nossa preparação para o sacerdócio é fecunda, muito boa, assim como a atual preparação para os cristãos leigos, com muitos cursos e opções de crescimento espiritual.

9- Nossas congregações religiosas englobam muitos aspectos diferentes da realidade religiosa de nosso povo, diversos carismas e tendências, um leque de opções de como se orientar no apostolado etc. 

Enfim, amo a Igreja Católica. Ela é completa, eficiente, dinâmica, magnânima, aberta, misericordiosa, piedosa, bonita, plena de vida de oração e de ação, imersa na contemplação e no apostolado, para que todos possam ser atendidos e cresçam na vida política, social e religiosa. Jesus prometeu que o Espírito Santo estaria conosco até o Juízo Final.

Mas o perfume máximo, a beleza pura que temos é Maria, sua presença feminina e materna. Depois que Maria foi para o céu, este nunca mais foi o mesmo. Sua presença era aguardada desde milênios! Foi marcante e como que completou o cenário. Veja o artigo em que falo sobre isso: ...E O CÉU NUNCA MAIS FOI O MESMO!

Nenhum comentário:

Postar um comentário