segunda-feira, 26 de dezembro de 2016

IRMÃS DA PROVIDÊNCIA


IRMÃS DA PROVIDÊNCIA




São Luis protetor dos portadores do vírus do HIV
Padre Luis, homem santo, de muita fé na Providência de Deus e na Virgem Maria. 

Dedicou a sua vida aos mais carentes, deixando assim para as suas filhas religiosas, as Irmãs da Providência, um exemplo a ser seguido; e, por isso nós , as Irmãs da Providência , queremos ser no coração da Igreja exemplos de Amor e convidamos vocês jovens a caminhar conosco rumo a Santidade. 


Mais sobre São Luis : 

Considerado Protetor dos portadores do vírus do HIV, devido a cura realizada pelo sacerdote em um tempo onde nem se imaginava a cura para a AIDS. O que lhe deu o título. 

O beneficiado em 1994 foi um jovem subAfricano chamado Peter Chungu Shitima que junto a comunidade pedia a intercessão do padre... 

Hoje Peter se encontra bem de saúde, tornando-se sacerdote na Congregação do Oratório de São Felipe Neri. 

São Luis Protetor dos jogadores de Futebol


São Luis Protetor dos jogadores de futebol : 

Em Carinzia na Áustria, padre Luis é eleito o santo protetor dos jogadores de futebol. 

Sua estátua acompanha os times no campo. Eles buscam em São Luis apoio, força e garra que rege o time. A resistência os acompanha nas dificuldades ou nos momentos de glória, o exemplo do justo espírito esportivo para viver intensas emoções privadas de violência. 

Sendo essas as virtudes que em 1800 São Luis cultivou como parte de sua obra para viver a caridade. 

CONHEÇA AS IRMÃS DA PROVIDÊNCIA!
Brasil
Somos uma Família Religiosa que vivemos os ideais de São Luis Scrosoppi: "Amar e Defender os irmãos mais carentes, entre eles: as crianças, os jovens, os idosos e os doentes."
Visualizar meu perfil completo

Esse é o blog das Irmãs da Providência; queremos junto com você descobrir como é belo confiar no Deus Providente e no protagonismo juvenil!


VISÕES DE PEDRO SIQUEIRA

VEJA OS RELATOS DE PEDRO SIQUEIRA SOBRE SUAS VISÕES SOBRE O PURGATÓRIO (ele já foi a vários tipos de purgatório) E SUAS VISÕES E SOBRE OS ANJOS E ARCANJOS.Como o vídeo pesa muito no blog, eu coloquei aqui o link para que você possa acessá-lo.

VISÕES DE PEDRO SIQUEIRA

sexta-feira, 23 de dezembro de 2016

FELIZ NATAL E ANO NOVO!

F rente a frente convosco, Senhor,
E u me sinto em falta,
L uto na ação social, no amor,
I nerte diante dos males do mundo,
Z eloso por mim, indiferente pelos outros.

N as palhas do presépio me ensinais
me encontrar convosco nos pobres,
T anto nos da matéria como nos do espírito,
A mpará-los, socorrê-los,
L evá-los a conhecer-vos, a amar-vos.

E nsinai-me, Senhor, a amar, a partilhar!

A o ver tanta miséria e tanta dor,
N utro no coração um grande amor,
O ro com ternura, peço-vos perdão.

este mais um Natal em minha vida,
O uço as vozes dos que vos clamam,
V olto-me a vós e vos imploro:

O lhai por todos nós, Senhor,e dai-nos a   vossa paz!

quinta-feira, 22 de dezembro de 2016

PEDRO SIQUEIRA VÊ OS ANJOS

Esse advogado, o Pedro Siqueira, vê e conversa com seu Anjo da Guarda. Veja como é maravilhoso termos esse amigo sempre conosco!

CONVERSÃO DE U M PASTOR

Peguem seus lenços(tenho certeza de que vocês vão chorar) e assistam a este vídeo no YOUTUBE. Não o coloco aqui porque é muito "pesado" para o blog. É comovente como a presença de Nossa Senhora que apareceu a ele converteu ao catolicismo esse pastor antigamente combatente ferrenho dos católicos. Você vai gostar e se emocionar. 

terça-feira, 20 de dezembro de 2016

A CHAGA DO OMBRO DE CRISTO

Padre Pio, Bernardo de Claraval e a ferida no ombro de Cristo
POR BÍBLIA CATÓLICA EM 11 DE OUTUBRO DE 2016 EM IGREJA, SANTOS DA IGREJA
Foram dois grandes santos em espírito de oração e dolorosamente dedicados a uma chaga da Paixão de Cristo

O que o místico medieval São Bernardo de Claraval e o moderno monge São Padre Pio têm em comum?

Bem, ambos são santos e compartilham a recompensa eterna que Deus preparou para eles. Mas, além disso, os dois tiveram uma devoção sincera a uma chaga de Cristo.

SÃO BERNARDO DE CLARAVAL, um abade francês e místico que ajudou a renovar a Ordem de Cister, no século 12, relatou uma conversa que tivera com o Senhor que ficou registrada nas Atas do convento de Claraval. Ele orou, perguntando a Jesus qual tinha sido o seu maior sofrimento não registrado pelos homens; e o Senhor lhe respondeu:

“Eu tinha uma ferida no ombro, em que havia carregado a Cruz, e esta ferida era mais dolorosa que as outras. Os homens não fazem menção dela, porque lhes é desconhecida. Honrai-a, pois, e Eu vos concederei tudo o que me pedirdes por sua virtude. Todos aqueles que a venerarem, obterão a remissão dos seus pecados veniais e graças eficazes para alcançar o perdão dos pecados mortais que tiverem cometido”.

SÃO PIO DE PIETRELCINA, frade Capuchinho, padre e místico, morreu em 1968. Padre Pio era conhecido como um confessor e um homem santo que há mais de 50 anos manifestava as chagas de Cristo (os estigmas) em suas mãos e pés.

Em um livro publicado em língua italiana pelo convento de São Pio, intitulado Il Papa e Il Frate, o autor Stefano Campanella informou que o futuro São Pio tinha tido uma conversa muito interessante com Karol Wojtyla, o futuro Papa São João Paulo II.

De acordo com Campanella, Padre Wojtyla perguntou ao Padre Pio qual de seus ferimentos causou mais dor. Padre Wojtyla esperava que Padre Pio fosse dizer que era sua ferida no peito; mas em vez disso Padre Pio respondeu: “É o meu ferimento no ombro, que ninguém conhece e nunca foi curado ou tratado”.

Veja também  Maria é âncora da existência para homens de todos os tempos, explica o Papa
Em 2008, 40 anos após a morte de Padre Pio, o autor Frank Rega escreveu sobre Padre Pio:

Uma vez em Padra [sic] tinha confiado ao irmão Modestino Fucci, agora o porteiro no convento de Padre Pio em San Giovanni Rotondo, Itália,que suas maiores dores ocorreram quando ele mudou de veste. Irmão Modestino, como Padre Wojtyla, pensou que o Padre Pio estava se referindo às dores do ferimento no peito. Então, no dia 04 de fevereiro de 1971, foi atribuído ao irmão Modestino a tarefa de fazer um inventário de todos os itens do falecido padre na cela do convento, e também os seus pertences nos arquivos. Naquele dia, ele descobriu que em uma das vestes do Padre Pio tinha um círculo de mancha de sangue na área do ombro direito.
Nessa mesma noite, o irmão Modestino pediu em oração ao Padre Pio que esclarecesse sobre o significado da camisa manchada de sangue. Ele pediu ao Padre para dar-lhe um sinal se Cristo realmente teve um ferimento no ombro. Em seguida foi dormir, despertando 1 hora da manhã com uma terrível, angustiante dor em seu ombro, como se tivesse sido cortado com uma faca até o osso do seu ombro. Ele sentiu que iria morrer de dor se continuasse, mas durou apenas um curto período de tempo. Em seguida, a sala se encheu com o aroma de um perfume celestial de flores – o sinal da presença espiritual de Padre Pio – e ele ouviu uma voz dizendo: “Isso é o que eu tinha que sofrer!”

São Bernardo de Claraval, depois de receber a mensagem de Cristo sobre a dor que experimentou em seu ombro, procurou promover devoção ao ferimento no ombro de Cristo, e escreveu esta oração:

Oração à Chaga do ombro de Cristo

Ó bom Jesus, Senhor e Redentor meu, que carregastes a pesada Cruz de todos os pecados do mundo e também os meus, pelos méritos da Chaga e dor que tal Cruz rasgou no vosso Ombro, eu Vos peço, humildemente, o arrependimento e perdão de todas as minhas culpas e a graça de morrer sem pecado. E lembrando o auxílio que Vos deu Simão Cireneu, aliviando o peso da vossa Cruz, peço-Vos ainda, em virtude da Chaga do vosso Ombro, que foi a primeira e a mais escondida do vosso sacrifício redentor, que susciteis no mundo muitas almas vítimas, a continuarem nelas a vossa Paixão e, pela generosidade do seu holocausto, suportado com amor heróico, resgagem muitos peadores, salvem muitos moribundos, e atraiam sobre a Terra uma chuva de Caridade e Pureza. Amém.


segunda-feira, 19 de dezembro de 2016

O ESTABILIZADOR DE ENERGIA


22/10/16

Quando criança morávamos num lugar em que a energia não passava de 90 volts. Era necessário um “transformador” pequeno, tipo estabilizador, a fim de podermos ligar alguns aparelhos eletrônicos, como o rádio a válvulas e, mas tarde, no final dos anos 60, a televisão, que também era a válvula.
Hoje, lendo um trecho de São Paulo aos Efésios, vi que nossos sofrimentos, orações, esforços, são “plenificados” por Cristo (Efésios 4,7-16). Lembrei-me do estabilizador (ou transformador) e percebi que Jesus faz justamente isso conosco: quando nos colocamos totalmente à mercê dele, ele une os nossos pequenos sofrimentos, as nossas pobres orações, as nossas pequenas boas ações, aos sofrimentos dele, como diz Colossenses 1,24: “Completo em minha carne o que falta à paixão de Cristo”.
Jesus completa os méritos de nossas ações e as “amplifica” como aquele transformador da minha infância. Sem o transformador não dava para ouvir o rádio grande de válvulas. Sem o auxílio e a Graça de Jesus não temos merecimento algum diante do Pai.
É claro que se nada fizermos para mudar nossa vida para melhor, para cada vez mais nos unirmos a Deus por meio de uma união amorosa e sincera com os irmãos, não há “entrada de energia” para que Jesus possa “amplificar”. Sem eletricidade o transformador ou o estabilizador de energia não serve para nada. É uma peça inútil, que talvez só sirva como peso para papéis.
Diz o documento da Igreja Lumen Gentium que sem Deus, a criatura se reduz a nada.

É preciso, então, que eu sempre me esforce para estar sempre unido a Deus pela oração e dar minha vida a ele, a fim de que me oriente, me corrija e me fortaleça com seus dons e assim ter algo nas mãos e no coração para oferecer-lhe e por ele ser transformado, amplificado, plenificado. E você, irmão, irmã, o que pensa disso?

sábado, 17 de dezembro de 2016

A SANTA MISSA



NÃO DEIXEM DE LER O TESTEMUNHO MARAVILHOSO DA SANTA LEIGA CATALINA RIVAS SOBRE A SANTA MISSA, NUMA DAS REVELAÇÕES QUE LHE FORAM FEITAS POR NOSSA SENHORA. VALE A PENA! É SÓ CLICAR NO LINK ABAIXO:

sexta-feira, 18 de novembro de 2016

SANTA BERNARDETTE SOUBIROUS

(VEJA A BIOGRAFIA LOGO DEPOIS DESTE TEXTO)

O corpo incorrupto de Santa Bernadette Soubirous segundo os médicos que fizeram as exumações  (Fonte: A Ciência Confirma a Igreja)

A incorruptibilidade do corpo de Santa Bernadette Soubirous é um dos casos mais assombrosos e estudados pela medicina.
 Desde 3 de agosto de 1925, o corpo intacto da Santa se encontra exposto numa urna de cristal na capela do convento de Saint-Gildard, na cidade de Nevers, França. A cidade fica na Borgonha, a 260 km ao sul-sudeste de Paris.
 Assim informa uma inscrição ao lado do corpo da Santa na mesma capela:
 “O corpo de Santa Bernadette repousa nesta capela desde 3 de agosto de 1925.
 Ele está intacto e “como se estivesse petrificado” segundo foi reconhecido pelos médicos juramentados e pelas autoridades civis e religiosas por ocasião das exumações de 1909, 1919 e 1925.
 O rosto e as mãos, que escureceram no contato com o ar, foram recobertos com ligeiras camadas de cera, moldadas segundo os modelos recolhidos diretamente.
 A posição inclinada para o lado esquerdo foi assumida pelo corpo no túmulo.”
 Primeira exumação

Em 22 de setembro de 1909, trinta anos após o velório, seu cadáver foi exumado pela primeira vez e o corpo encontrado intacto. Os Drs. Ch. David e A. Jordan, que conduziram esta primeira exumação, escreveram no relatório da perícia:
 “O caixão foi aberto na presença do Bispo e do Prefeito de Nevers, seus principais representantes e diversos religiosos. “Não notamos nenhum odor. “O corpo estava vestido com o Hábito da Ordem a que pertencia Bernadette. O Hábito estava úmido.
 “Apenas a face, mãos e antebraços estavam descobertos. “A cabeça estava inclinada para a esquerda. A face estava lânguida e branca. A pele estava apegada aos músculos e estes apegados aos ossos. “As cavidades oculares estavam cobertas pelas pálpebras [...]  “Nariz dilatado e enrugado. Boca levemente aberta e se podia ver os dentes no lugar.
 “As mãos, cruzadas sobre o peito, estavam perfeitamente preservadas, bem como suas unhas. As mãos seguravam um terço. Podia se observar as veias no antebraço.” “Os pés estavam enrugados e as unhas intactas. “Quando o Hábito foi removido e o véu levantado de sua cabeça, pode se observar um corpo rígido, pele esticada [...]
 “Seu cabelo estava com um corte curto e bem preso à cabeça. As orelhas estavam em perfeito estado de conservação [...]  “O abdome estava esticado, assim como o resto do corpo. Ao ser tocado, tinha um som como de papelão. “O joelho direito estava mais largo que o esquerdo.
 “As costelas e músculos se observavam sob a pele [...] “O corpo estava tão rígido que podia ser virado para um lado e para o outro [...]  “Em testemunho de que temos corretamente escrito esta presente declaração, a qual representa a verdade em sua totalidade.
 Nevers, 22 de setembro de 1909, Drs. Ch. David, A. Jourdan.” 

Segunda exumação

 Em 1919, dez anos depois da primeira exumação, realizou-se uma segunda exumação do corpo de Santa Bernadette. A situação encontrada foi exatamente a mesma da primeira exumação.

Terceira exumação
 Por fim, a 18 de novembro de 1923, Sua Santidade o Papa Pio XI assinou decreto reconhecendo a heroicidade das virtudes de Bernadette. Após a beatificação da Santa, foi efetivada uma terceira exumação em 12 de Junho de 1925. O objetivo era a retirada de “relíquias” de seu corpo. A canonização viria oito anos mais tarde, em 1933.
 Sobre esta última exumação, escreveu o Dr. Comte em seu relatório, em termos forenses que por vezes espantam aos leigos, mas que nos permitem medir com exatidão o grau da incorruptibilidade do corpo da vidente de Lourdes (quem desejar ver a descrição, clique no link do site, logo no início ou no final do texto).
  “O que mais me impressionou durante esta exumação foi o perfeito estado de conservação do esqueleto, tecidos fibrosos, musculatura flexível e firme, ligamentos e pele após quarenta e seis anos de sua morte.
 “Após tanto tempo, qualquer organismo morto tenderia a desintegra-se, a se decompor e adquirir uma consistência calcária. “Contudo, ao cortar, eu percebi uma consistência quase normal e macia.  O corpo milagrosamente preservado de Santa Bernadette encoraja os visitantes a imitarem a vida de Santa Bernadette e levarem a sério as mensagens transmitidas pela vidente da Imaculada Conceição.

Luis Dufaur

Fonte: A Ciência Confirma a Igreja

BIOGRAFIA DE STA. BERNARDETTE

    A santíssima Mãe de Deus, para conferir  aos  homens mais uma de suas  infinitas graças, e para confundir o que no mundo se julga forte,  escolheu um instrumento, à preferência de  outros, débil, segundo a  divina economia que São Paulo exalta: "Deus escolheu o que é fraco no mundo, para confundir os fortes" (1Cor 1,27). Este instrumento era Bernarda Soubirous, nome hoje caríssimo e celebérrimo no mundo inteiro, mas naquele tempo, quando apenas quinze anos contava, de todos desconhecida. 
     Nascida  em Lourdes, região montanhosa dos Pirineus, a 7 de janeiro de  1844, filha de Francisco e Ludovica Casterot, dois dias  depois foi batizada e  recebeu o nome de Maria Bernarda.
     Vivendo pobremente e  por algum tempo empregada  em  tomar conta do gado, crescia sem alguma doutrina humana, mas em suavíssima simplicidade de  costumes e  admirável candura de espírito, querida por Deus e  pela  Santíssima Virgem Mãe.  Maria observou a  humildade de  sua filha e  dignou a inocente menina , entre 11 de fevereiro a  16 de julho de  1858, de 18 aparições e  de  celeste colóquio. Na época, o bispo local,  que inicialmente duvidara  da versão da inculta menina, que afirmava as aparições, pôs ela à prova e pediu para que, na próxima aparição,  perguntasse à ela qual o seu nome.

Bernardete, cumprindo o pedido do bispo, esclareceu à Virgem a indagação do bispo, no que Nossa Senhora respondeu: "Eu sou a Imaculada Conceição". Ao retornar, o bispo ouviu estupefato a resposta da menina, já que tratava-se de um dogma recém proclamado, o dogma da "Imaculada Conceição"  firmado há menos de quatro anos por Pio IX (1854) que, pelas dificuldades de comunicação da época, estava restrito ao conhecimento ainda dos setores mais elevados da Igreja.   
   Nesta, tão célebre aparição e ilustrada por Deus  por tantos sinais, pode-se notar um tríplice carisma, conferido à piedosa jovem. Chamamo-la antes de tudo:  Vidente, porque diante de  numeroso povo,  arrebatada  em êxtase, foi maravilhosamente  deliciada com o bondoso aspecto da Virgem. Chamamo-la de  Mensageira da Virgem ao  mundo, porque por ordem de Maria pregou  penitência e oração ao povo;  mandou aos sacerdotes, que naquele lugar construísse um Santuário; predisse a  todos  a  glória, a santidade e  os futuros benefícios do  mesmo lugar.

 Por fim vemos nela a  Testemunha  da Verdade, porque a muitos  contradizentes, com o máximo candor de simplicidade, junto com  suprema prudência do  mandamento confiado da  Virgem, com admiração de todos os eclesiásticos e de  juízes seculares. 
      Todas estas coisas levadas  ao termo por divino impulso por uma  ignorante e  inculta menina, Deus a  leva  longe  para a solidão de um convento, e quase desprezada pelo mundo, preparou-se  para  coisas  mais admiráveis, para que,  pregada na cruz  com Cristo e  com ele  quase sepultada, atingisse profundamente na humildade a  vida interior sobrenatural e, um dia  na luz da santidade ressurgindo ao mundo, com este estável testemunho da  santidade  unisse nova glória ao  Santuário de  Lourdes.

Por  isto, obedecendo ao chamamento de  Deus, em julho de  1867 se  transferiu para Nevers, para iniciar a  vida religiosa na Casa-Mãe das Irmãs da Caridade e  instrução cristã.  Terminado o noviciado no mesmo ano, fez os votos temporais e onze anos depois os perpétuos. Admiravelmente fulguraram nela as virtudes, mas sua alma virgem foi principalmente adornada daquelas  que mais convinha à discípula predileta da Virgem Maria:  Humildade  profunda, terníssima pureza e ardente caridade.

 Provou-as  e aumentou-as com as dores de  uma longa enfermidade e  angústias de espírito que a atormentaram suportando-as  com suma  paciência.  Na mesma casa religiosa a  humildíssima  virgem  ficou até a morte, que depois de  recebidos  os  sacramentos  da  Igreja, invocando sua dulcíssima Mãe Maria, descansou santamente a  16 de abril de  1879, no trigésimo sexto ano de  idade,  e  duodécimo de  vida religiosa.
  Tendo ficado até este  ponto como debaixo do alqueire da humildade, com a morte  tornou-se resplandecente  a  todo o mundo.  Debaixo do pontificado de  Pio X, em 1923, foi iniciado o  processo de sua beatificação. A 14 de julho de  1925 o Papa  Pio XI lançou o nome da serva de Deus nos fatos dos bem-aventurados. Em contemplação aos grandes e inegáveis milagres, que Deus se dignou operar por sua serva, a causa foi reassumida em junho de 1926 e levada ao fim em 2 de julho de 1933.
  "Os acontecimentos que então se desenrolaram em Lourdes e cujas proporções espirituais melhor medimos hoje, são-vos bem conhecidos. Sabeis, caros filhos e veneráveis irmãos, em que condições estupendas, apesar de zombarias, de dúvidas e de oposições, a voz daquela menina, mensageira da Imaculada, se impôs ao mundo. Sabeis a firmeza e a pureza do testemunho, experimentado com sabedoria pela autoridade episcopal e por ela sancionado desde 1862. Já as multidões haviam acorrido e não têm cessado de precipitar-se para a gruta das aparições, para a fonte milagrosa, para o santuário elevado a pedido de Maria.

 É o comovente cortejo dos humildes, dos doentes e dos aflitos; é a imponente peregrinação de milhares de fiéis de uma diocese ou de uma nação; é a discreta diligência de uma alma inquieta que busca a verdade... Dizíamos nós: "Jamais num lugar da terra se viu semelhante cortejo de sofrimento, jamais semelhante irradiação de paz, de serenidade e de alegria!. E, poderíamos acrescentar, jamais se saberá a soma de benefícios de que o mundo é devedor à Virgem auxiliadora! "Ó gruta feliz, honrada pela presença da Mãe de Deus! Rocha digna de veneração, da qual brotaram abundantes as águas vivificadoras!" (...)

 Estes cem anos de culto mariano teceram, ademais, entre a Sé de Pedro e o santuário pirenaico laços estreitos, que nos apraz reconhecer. A própria virgem Maria não desejou essas aproximações? "O que em Roma, pelo seu magistério infalível, o sumo pontífice definia, a Virgem Imaculada Mãe de Deus, a bendita entre as mulheres, quis, ao que parece, confïrmá-lo por sua boca, quando pouco depois se manifestou por uma célebre aparição na gruta de Massabielle".

Certamente, a palavra infalível do pontífice romano, intérprete autêntico da verdade revelada, não necessitava de nenhuma confirmação celeste para se impor à fé dos fiéis. Mas com que emoção e com que gratidão o povo cristão e seus pastores não recolheram dos lábios de Bernardete essa resposta vinda do céu: "Eu sou a Imaculada Conceição"! " (Trecho da Carta Encíclica do Papa Pio XI - durante o centenário das aparições da SS. Virgem em Lourdes - 02 de julho de 1957) 
Reflexões:
Bernardete, cavando o  solo com os seus  dedos  afiados, fazia surgir, pela graça de Nossa Senhora, uma fonte de água do milagre, o mais fecundo capítulo da apologética moderna. Recebeu um ministério novo, confiado a todos  os Santos. Cada  um deles, porém, tem  as suas características. As de Bernadete são a sua pequenez engrandecida pela força e pelo amor de Cristo. A sua condição humilde de  ontem, elevada hoje, à distribuidora de  grandes lições ao gênero humano.
Mostrou-nos ela a Rainha  dos Santos; hoje começa a  ensinar-nos o espírito de santidade. Já não é o sobrenatural acima de nós, mas dentro de  nós. Já não nos convida a  irmos às bordas do Gave beber da água milagrosa;  o seu apelo  é para que vamos ao grande rio sacramental, onde  as  almas bebem a  santidade; e para que  consideremos como a humanidade se refaz, se  nobilita, se sublima, modelada em Cristo.
A sua  voz dir-nos-á de futuro: Vêde, homens pequeninos,  materializados em  gozos efêmeros, o que pode a  ignorância, a humildade de  uma camponesa iletrada, transformada pelo Espírito Santo.
É talvez mais bela  esta segunda missão do que a primeira. Depois de nos revelar a Virgem, mostra-nos o Espírito Divino. Com uma diferença: é que  a  Virgem vimo-la   através dos  olhos dela;  o Espírito vemo-la nela própria.  
Extraído do site:

http://paginaoriente.com/santosdaigreja/abr/bernadetes1604.htmhttp://paginaoriente.com/santosdaigreja/abr/bernadetes1604.htm

domingo, 16 de outubro de 2016

ESCRITO NO CÉU

(outubro 2016)
Em Lucas 10,17-24), Jesus diz aos setenta e dois discípulos para se alegrarem não por eles poderem vencer os demônios ou pisar em cobras e escorpiões, mas porque seus nomes estão escritos nos céus. Como fazer para ter o nome escrito no céu?
O Cônego Celso Pedro da Silva, nosso amigo, na agenda bíblica de 2016, comenta esse trecho no dia 01/10, contando que o Dom Luciano Mendes de Almeida, bispo famoso de São Paulo, estava concelebrando a missa em rito oriental, muito mais solene que o nosso rito latino, com toda aquela pompa, na Ucrânia, na cidade de Kiev, presidida pelo Metropolita (o bispo da cidade).
Uma criança não se comportava, “escapava da mãe, tentava entrar no espaço fechado do altar oriental: a criança corria, a mãe corria, a missa longa, todos em pé. Dom Luciano, sentado na entrada do altar, pegou a criança” e a segurou nos braços. (Penso naqueles homens rudes pasmos por vê-lo fazer isso, indignados com a criança e a mãe).
Terminada a missa, a criança correu pra a mãe e a mãe gritou para D. Luciano: “Teu nome está escrito no céu”! Conclui o Cônego: “Eis o que escreve o nosso nome no céu”!
Lembro outro fato ocorrido com ele: na assembleia dos bispos, muitas vezes ele ficava no salão varrendo o chão para as reuniões do outro dia, sem ninguém ver (Se eu estou contando isso, é porque um dia alguém viu).
Meditando sobre isso, tentemos perceber em nossa vida fatos que permitiram ter o nosso nome escrito no céu, baseado nesse comentário do Cônego Celso Pedro!
Você vai ver como muitas vezes atos até impensados de caridade foram mais fortes para que o nosso nome esteja escrito no céu, do que outros, aparentemente santos, mas que foram feitos com arrogância, ou para “cumprir tabela”, ou porque não havia um jeito de escapar daquilo, ou feitos sem amor, apenas por pura obrigação.

São os pequenos gestos que nos aproximam de Jesus, como o fez Santa Teresinha, que comemoramos nestes dias (2/10). Para termos nosso nome escrito no céu, é preciso amarmos como Jesus amou, como Jesus nos ama. 

O TESTAMENTO DE JESUS


(out. 2016)
O comendador Justino (nome fictício), riquíssimo, deixou toda a sua imensa fortuna para os dois filhos e três filhas que tinha, mas colocou uma condição para que eles tivessem direito à herança: conviverem um determinado número de anos juntos, sem brigas, com amor, honestidade, sinceridade, sem esbanjamento, com muita pureza e simplicidade.
É certeza que eles vão fazer tudo para cumprirem essa cláusula, para “botar as mãos” na fortuna imensa do pai.
Ora, Jesus, na cruz, deu-nos por herança dois valores incalculáveis: sua mãe, Maria: (Eis tua mãe, eis teu filho), e a vida eterna.
Maria nos leva a Jesus, que nos oferece a vida eterna , mas exige algumas condições: oi amor a Deus e ao próximo. Amor com “A” maiúsculo, que inclui a caridade, a misericórdia, a comiseração, o perdão, a convivência pacífica, a sinceridade, a simplicidade, a partilha, a pureza de coração etc.
Penso que o valor dessa herança deixada por Jesus, na cruz, é superior a qualquer quantia em dinheiro. Mas tenho certeza de que não temos tanto empenho em lutar contra nós mesmos para ganhar a vida eterna como teríamos para ganhar uma fortuna em dinheiro.
Hoje é 12 de outubro, dia de N. Sra. chamada com o nome de Aparecida, essa mãe tão terna que nos leva a Jesus pelo caminho da simplicidade, da convivência terna, pacífica, misericordiosa, entre nós. Cabe a nós levarmos a sério as exigências de Jesus e, um belo dia, nos encontrarmos todos lá no céu.


SANTOS QUE DERAM O QUE FALAR

Clicando neste link, você acessa o nosso site evangelho e catequese e pode ler as peripécias e maravilhas destes quase 60 santos e santas:

SANTOS QUE DERAM O QUE FALAR

sábado, 15 de outubro de 2016

O QUE TODO CATÓLICO DEVE SABER


FacebookTwitterImprimirGoogle+Mais...

Quais são artigos da fé católica?
1.Crer em Deus Pai todo-poderoso.
2.E em Jesus Cristo, seu Filho único, Nosso Senhor.
3.Jesus Cristo foi concebido pelo poder do Espírito Santo, nasceu da Virgem Maria.
4.Jesus Cristo padeceu sob Pôncio Pilatos, foi crucificado, morto e sepultado.
5.Jesus Cristo desceu aos Infernos, ressuscitou dos mortos no terceiro dia.
6.Jesus subiu aos céus, está sentado à direita de Deus Pai, todo-poderoso.
7.Donde virá julgar os vivos e os mortos.
8.Creio no Espírito Santo.
9.Creio na Igreja Católica.
10.   Creio no perdão dos pecados.
11.   Creio na ressurreição da carne.
12.   Creio na Vida eterna.

E os Dez Mandamentos?
1.Amar a Deus sobre todas as coisas.
2.Não pronunciarás o nome do Senhor, teu Deus, em vão.
3.Lembra-te de guardar o Dia do Senhor.
4.Honra teu pai e tua mãe, para que se prolonguem os teus dias na terra que o Senhor, teu Deus, te dá.
5.Não matarás.
6.Não pecarás contra a castidade.
7.Não roubarás.
8.Não apresentarás um falso testemunho contra teu próximo.
9.Não desejarás a mulher do próximo.
10.   Não cobiçarás as coisas alheias.

Você conhece os Cinco Mandamentos da Igreja?
1.Participar da Missa inteira nos domingos e em outras festas de guarda e abster-se de ocupações de trabalho.
2.Confessar-se ao menos uma vez por ano.
3.Receber o sacramento da Eucaristia ao menos pela Páscoa da Ressurreição.
4.Jejuar e abster-se de carne, conforme manda a Santa Mãe Igreja.
5.Ajudar a igreja em suas necessidades;

Quais são os dias santos de guarda?
1.Todos os domingos do ano
2.Dia 1º de janeiro, festividade de Santa Maria, Mãe de Deus.
3.Festividade do Corpo e Sangue de Cristo (Corpus Christi), celebrada na quinta-feira depois do Domingo da Santíssima Trindade;
4.Dia 8 de dezembro, festividade da Imaculada Conceição da Virgem Maria.
5.Dia 25 de dezembro, Natal de Nosso Senhor Jesus Cristo.

Lei do Jejum e Abstinência
1.Toda sexta-feira do ano é dia de penitência, a não ser que coincida com alguma solenidade do calendário litúrgico. Nesse dia os fiéis devem abster-se de comer carne ou outro alimento, ou praticar alguma forma de penitência, principalmente alguma obra de caridade ou algum exercício de piedade.
2.A Quarta-feira de Cinzas e a sexta-feira Santa, memória da Paixão e Morte de Cristo, são dias de jejum e abstinência. A abstinência pode ser substituída pelos próprios fieis por outra prática de penitência, caridade ou piedade, particularmente pela participação nesses dias na Sagrada Liturgia (Legislação complementar da CNBB quanto aos cânones 1251 e 1253 do Código de Direito Canônico).
3.Idade da obrigação: a abstinência obriga a partir dos 14 anos completos; o jejum a partir dos 18 anos completos até os 60 anos começados.

Quem foram os doze Apóstolos?
1.Pedro (Simão)
2.Bartolomeu
3.André
4.Filipe
5.Tomé
6.Tiago
7.João
8.Tiago (o Menor)
9.Judas Tadeu
10.   Judas Iscariotes
11.   Simão (o Zelote)
12.   Mateus (Matias)

Quais são os sete Sacramentos?
Batismo (Mt 28,19)
Confirmação ou Crisma (At 8,17)
Eucaristia (Mt 26,26)
Penitência (Jo 20,23)
Unção dos Enfermos (Ti 5,14)
Ordem (Lc 22,19)
Matrimônio (Mt 19,6)

Quais são as três virtudes teologais?
(1 Cor 13, 13 e cfr. Catecismo da Igreja Católica, n. 1813)
Fé – Esperança – Caridade
Quais são as quatro Virtudes Cardeais?
(Cfr. Catecismo da Igreja Católica, ns. 1805-1809)
Prudência – Justiça – Fortaleza – Temperança.

Quais são os Sete Dons do Espírito Santo?
(Cfr. IS 11, 2-3 e Catecismo da Igreja Católica, n.1813)
Sabedoria
Inteligência
Conselho
Fortaleza
Ciência
Piedade
Temor de Deus
E os doze Frutos do Espírito Santo?
(Cfr. Gál 5,22 e Catecismo da Igreja Católica, n. 1832)
Caridade
Paz
Benignidade
Longanimidade
Fidelidade
Continência
Alegria
Paciência
Bondade
Mansidão
Modéstia
Castidade
Você sabe quais são as sete Obras de Misericórdia Espirituais?
(Cfr. Catecismo da Igreja Católica, n. 2447)
1.Dar bom conselho.
2.Ensinar os ignorantes.
3.Corrigir os que erram
4.Consolar os aflitos.
5.Perdoar as injúrias.
6.Sofrer com paciência as fraquezas do próximo.
7.Rogar a Deus pelos vivos e defuntos.

E as sete obras de misericórdia Corporais?
(Cfr. Mt 25, 35,36; Tob 4,12 e Catecismo da Igreja Católica, ns. 2447-2449)
1.Bem-aventurados os pobres em espírito, porque deles é o Reino dos Céus.
2.Bem-aventurados os mansos, porque eles possuirão a terra.
3.Bem-aventurados os aflitos, porque serão consolados.
4.Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça. Porque serão saciados.
5.Bem-aventurados os misericordiosos, porque alcançarão misericórdia.
6.Bem-aventurados os puros de coração, porque verão a Deus.
7.Bem-aventurados os que promovem a paz, porque serão chamados filhos de Deus.
8.Bem-aventurados os que são perseguidos por causa da justiça, porque deles é o Reino dos Céus.

Você sabe quais sete pecados capitais? E as virtudes opostas?
(Cfr. Catecismo da Igreja Católica, n. 1866)
Orgulho – Humildade
Avareza – Generosidade
Inveja – Amor ao próximo
Ira – Mansidão
Luxúria – Castidade
Gula – Temperança
Preguiça – Diligência
Você conhece os seis pecados contra o Espírito Santo?
(Cfr. Catecismo da Igreja Católica, n. 1864)
1.Desesperar da salvação.
2.Presunção de se salvar sem merecimento.
3.Contradizer a verdade conhecida por tal.
4.Ter inveja das mercês que Deus faz a outros.
5.Obstinação no pecado.
6.Impenitência final.

Os quatro Pecados que Bradam ao Céu?
(Cfr. Catecismo da Igreja Católica, n. 1867)
1.Homicídio voluntário.
2.Pecado sensual contra a natureza.
3.Opressão dos pobres.
4.Não pagar a quem trabalha.

Cooperação e cumplicidade com os pecados alheios
(Cfr. Catecismo da Igreja Católica, n. 1868)
1.Participando neles direita ou voluntariamente.
2.Mandando, aconselhando, louvando ou aprovando esses pecados.
3.Não os revelando ou não os impedindo, quando a isso somos obrigados.
4.Protegendo os que fazem o mal.

Quais são três principais gêneros de boas obras?
(Cfr. Catecismo da Igreja Católica, n. 1969)
Oração – Jejum – Esmola.
Conselhos Evangélicos
(Cfr. Catecismo da Igreja Católica, n. 2103)
A nossa Mãe a Santa Igreja alegra-se ao encontrar em seu seio muitos homens e mulheres que seguem mais estreitamente a exinanição do Salvador e mais claramente o demonstram, aceitando a pobreza na liberdade dos filhos de Deus e renunciando às próprias vontades; submetem-se eles aos homens por causa de Deus, em matéria de perfeição, além da medida do preceito, para que mais plenamente se conformem a Cristo obediente (Lúmen géntium, n. 42).

Pobreza voluntária – Castidade – Obediência.