quinta-feira, 26 de dezembro de 2013

EV. JOÃO CAPÍTULO 09


v.2-3- Deus não castiga ninguém. A doença, quando muito, pode ser consequência do afastamento de Deus àqueles que o repelem pelo pecado. O pecado é a negação de Deus em nossa vida; se Deus não nos protege, decerto não nos curaremos desta ou daquela doença. Deus, portanto, não nos "deixou doentes": ele apenas respeitou nosso afastamento voluntário dele. Se nos convertermos e pedirmos sua graça, ele no-la dará e nos curaremos, com quase certeza. Na verdade, amar a Deus é, sobretudo, deixar que ele nos ame. 

v.4- Dia=luz; noite=trevas. Dia= luz, graça de Deus. Noite: trevas, pecado, ação do maligno. São aqui palavras simbólicas: ação de Deus (em Jesus) e ação do maligno (nos que o rejeitam).

v.5- Pela Eucaristia Jesus nunca deixou de estar no mundo e, portanto, recebemos de sua luz quando comungamos. 

v. 6-7- Gestos que indicam sinais concretos sacramentais, ainda usados de modo adaptado nos sacramentos e sacramentais (=bênçãos) da Igreja Católica, da Ortodoxa e algumas outras.

v.14- Era sábado, dia em que se proibia o trabalho. Jesus quer mostrar que há certas leis que foram mal-entendidas. O trabalho em favor de outra pessoa sempre é algo abençoado, seja em que dia for. Os judeus "matavam um mosquito mas engoliam um camelo", ou seja, para cumprir uma lei feita por homens, descumpriam a lei divina de amar a todos como ele nos ama. O restante do capítulo vai tratar sobre isso: o ódio das autoridades do templo ao ver o sucesso de Jesus. 

v.16- Um homem pecador não faria os milagres que Jesus fazia. Muitos acreditavam, muitos não. 

v.20-23- Os pais serviram aqui de testemunhas (era obrigatório duas) para atestar aos pósteros que soubessem do ocorrido que realmente houve o milagre .

v.30-33 Se os que inquiriam o homem curado fossem realmente "homens de Deus", também acreditariam e se interessariam mais por Jesus, e o conheceriam, pois ele fazia o que era próprio de Deus fazer. 

v.34- Veja a arrogância das autoridades do templo que questionavam o ex-cego!

v. 35-38- O ex-cego conheceu Jesus, que o curara, no templo. Na confusão, não tivera como falar com ele. Isso é sinal de que ele fora lá para agradecer a Deus pela cura, diferente dos nove leprosos que não voltaram para esse agradecimento. No versículo 38 lemos que ele o"adorou"; ou seja, reconheceu que ele era Deus. 

v.39-41- O pior cego é o que não quer ver, mesmo tendo a visão normal. Quem pode ver, ouvir, falar, e não quer ver, nem ouvir, nem falar de Deus e de seu amor para conosco. Trocam Deus por si mesmos ou pelos pecados. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

DIGITE AQUI O SEU COMENTÁRIO