sexta-feira, 27 de dezembro de 2013

CATECISMO RESUMIDO -05


17- NOSSA FÉ CATÓLICA

Nossa Igreja é Católica porque pode ser participada por qualquer pessoa de qualquer parte do mundo, sem se vincular a um determinado povo ou sistema ou coisa alguma a não ser à sua doutrina.

É Apostólica porque é fundamentada em Jesus Cristo, que deixou os apóstolos em seu lugar. Os bispos são “descendentes” dos apóstolos em seu ministério. Quando um bispo é eleito papa, ele passa a ser “descendente”, em seu ministério, de São Pedro.

É Romana porque desde S. Pedro sua sede é em Roma, cidade que na época era a capital do mundo conhecido.

Nossa Igreja foi fundada pelo próprio Jesus Cristo, embora muitas pessoas não católicas não aceitam isso. Jesus deu início à Igreja e ela teve continuidade no dia de Pentecostes, quando o Espírito Santo desceu sobre os discípulos.

Que São Pedro foi a rocha fundamental visível da Igreja (a verdadeira rocha é Cristo), vemos na própria bíblia, nestes textos: Mt 16,18-19:”Tu és Pedro e sobre esta rocha  edificarei a minha Igreja  e as portas do inferno não prevalecerão contra ela. Eu te darei as chaves do Reino dos Céus. Tudo o que ligares sobre a terra será ligado nos céus e tudo o que desligares sobre a terra será desligado nos céus”.

João 21,15-19- Jesus pede a Pedro que apascente os seus cordeiros e ovelhas;

João 20,22-23: “Recebei o Espírito Santo. A quem perdoardes os pecados, lhes serão perdoados; a quem o retiverdes, lhes serão retidos

Lucas 22,32: “Eu roguei por ti, para que tua fé não desfaleça; e tu, por tua vez, confirma teus irmãos!”. Quero sublinhar bem essas últimas palavras, pois mostram bem claramente que Jesus pediu a Pedro que confirmasse, que orientasse, que desse fundamento ao ministério dos demais apóstolos e discípulos.

Jesus mudou o nome de Simão para Pedro, que é o masculino de Pedra, Rocha (Cefas em grego). Não é a toa que Jesus mudou o nome dele para “Rocha”!

PAPA, BISPOS, PADRES, DIÁCONOS

Os demais papas seguiram e seguirão a missão da presidência de S. Pedro. Para ser eleito papa, basta que o homem seja batizado. Não é preciso ser padre, nem solteiro, nem mesmo diácono. É claro que na prática não funciona assim: geralmente é eleito um dos cardeais, que elegem o papa quando o atual morre.

Os bispos continuam a missão dos Apóstolos nas dioceses. Eles recebem o terceiro e último grau do sacramento da Ordem. São auxiliados pelos presbíteros, a que chamamos de padres.

Os padres têm a missão de atender o povo de Deus em todos os lugares onde se encontra, seja nas paróquias, escolas, presídios, hospitais, lugares ricos, lugares pobres, nas indústrias, nas comunidades de base, na luta política etc. Eles recebem até o segundo grau do sacramento da Ordem.

Os diáconos estão ligados aos bispos, mas na prática ajudam os padres nas paróquias e em muitos lugares. Eles recebem apenas o primeiro grau do sacramento da ordem, e podem ser ordenados se já forem casados. Se não forem, após a ordenação diaconal não podem mais se casarem.

A ORGANIZAÇÃO DA IGREJA

As famílias formam as comunidades;

As comunidades formam uma paróquia, que pode ser territorial ou a nível de grupos humanos, como a paróquia universitária;

As paróquias formam as dioceses, governadas por um bispo. As dioceses podem conter várias cidades, ou vice-versa: cidades muito grandes, como S. Paulo, podem conter várias dioceses.

 As dioceses vizinhas (o número pode variar , geralmente de quatro a seis) são reunidas numa província eclesiástica, em que a diocese mais velha é chamada “arquidiocese”, e seu bispo, “arcebispo”.

 As províncias eclesiásticas são reunidas em regiões (Norte, Sul, Nordeste etc). As diversas regiões são coordenadas pela Conferência Nacional dos Bispos, no Brasil a CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil).

Os bispos têm o que chamamos de “Sucessão Apostólica”, ou seja, fazem parte de um tipo de “corrente” que vem desde Jesus, sem nunca ter sido interrompida: Jesus sagrou os Apóstolos, que sagraram os seus discípulos, que sagraram outros bispos, e assim por diante, até chegar  nos dias de hoje. Quando um diácono é ordenado padre, recebe a sagração sacerdotal de um bispo que está ligado pela sucessão apostólica aos apóstolos e, por conseguinte, a Jesus, que os sagrou.

Eu costumo dizer, em tom de brincadeira, que se um padre colocar o dedo na tomada, quem recebe o choque é Jesus, que o recebe por meio de todos os bispos que existiram desde esse padre até Ele. É por isso que os sacramentos celebrados pelos padres e bispos validamente ordenados têm valor, ou seja, repetem a ação de Cristo aqui e agora. O valor do sacerdócio não está tanto no estudo do padre, como muitos pensam, mas na ordenação, na sagração sacerdotal que ele recebeu dentro dessa corrente interrupta que veio desde Jesus Cristo, a “sucessão apostólica”.

NÚNCIO APOSTÓLICO

É o representante do Papa nos países que têm ligação diplomática com o Vaticano. É o embaixador do Vaticano. Ele vive como um embaixador, em Brasília, e cuida de todos os problemas políticos entre o Brasil e o Vaticano.


VATICANO

É o menor país do mundo. Mede 0,44 km², ou seja menos da metade de um quilômetro quadrado (esse número está correto, eu o tirei da enciclopédia). Em números que você possa entender melhor, se fosse um terreno retangular, mediria por exemplo, 220m X 2.000 m (esse exemplo é meu. Se eu fiz a conta errada, me avisem, por favor).


O Vaticano tem dívida externa, como os outros países, e não tem tanto dinheiro quanto as pessoas pensam. Inclusive todos os anos as igrejas católicas do mundo todo enviam donativos ao Papa, chamado “Óbulo de São Pedro” para que ele possa ajudar as catástrofes e tragédias.


Os bens do Vaticano são mais de origem artística, que não dá para serem vendidas. O próprio Museu do Vaticano dá uma despesa tremenda e foi recusado pela ONU, quando foi pedido que eles tomassem conta dele.

AS DIOCESES SÃO INDEPENDENTES

Uma coisa que muitos não entendem, em nossa Igreja, é que cada diocese é independente de outra, dos governos e mesmo do Vaticano na parte financeira. Cada diocese tem que “se virar” sozinha para arcar com todas as despesas. Nesse ponto, há religiões muito mais ricas que a nossa, por concentrarem toda a finança num só local, numa central. Isso não ocorre conosco.


Muitos e muitos me perguntam se os padres ganham do governo, ou ganham por “comissão” ou coisas bobas desse tipo. Geralmente, os párocos têm salário fixo, dependendo de diocese para diocese. Há dioceses em que o padre que é ordenado começa ganhando dois salários mínimos mensais e vai aumentando a cada cinco anos, por exemplo. Há outras em que o salário inicial é três.  Em paróquias pobres, os padres ganham até menos do que isso. Quem paga o padre é o conselho de finanças da paróquia ou da comunidade, com dinheiro provindo do dízimo ou mesmo das coletas, onde o dízimo não é muito eficiente. Entre quanto entrar de dinheiro na paróquia, o salário do padre continua o mesmo.


CARDEAIS, PADRES DIOCESANOS, RELIGIOSOS, IRMÃOS...

Há padres que são incardinados ou seja, ligados à uma diocese, chamados de padres seculares ou diocesanos, e padres que são ligados a uma congregação religiosa, chamados de freis, frades ou irmãos. Estes são os padres religiosos.


Os padres diocesanos ou seculares vivem sozinhos ou com os pais, ou com outras pessoas leigas ou não, não fazem nenhum voto, a não ser o do celibato (não se casar), e dependem do salário para viver. Alguns também dão aulas ou trabalham em alguma outra coisa além da paróquia (padres artistas, cantores, músicos, escritores etc). Nunca saem da diocese, a não ser quando pedem para fazer algum trabalho especial em outra.


Os que pertencem a uma congregação religiosa podem ou não ser padres, mas tanto os que são como os que não são, fazem os votos religiosos de castidade, pobreza e obediência: franciscanos, dominicanos, agostinianos, da consolata, claretianos, salesianos, frades menores, capuchinhos etc. Eles geralmente vivem  em comunidade. Quase nunca moram sozinhos. Dependem financeiramente da congregação, pois, com o voto de pobreza, não podem possuir nada em próprio nome.


As freiras ou irmãs são mulheres que se consagram também a Deus com os votos de castidade, pobreza e obediência. Em tudo se assemelham ao modo de vida dos irmãos e padres religiosos que já mencionei acima.


Os monges e monjas são homens e mulheres que vivem em mosteiros, conventos ou abadias. Vivem uma vida reclusa (fechada), dedicando-se ao trabalho manual, ou intelectual e à oração. Geralmente não fazem os três votos, mas o compromisso de “conversão de vida” e de estabilidade (morar sempre num mesmo lugar). São mais conhecidos os beneditinos (que englobam muitas denominações) e os cistercienses (com a abadia de Itaporanga, muito conhecida).


Cardeal é apenas um título dado a um membro da Igreja que pode eleger o papa quando o atual morre. Geralmente é um bispo, mas não é necessário nem que seja do clero para ser nomeado cardeal. O filósofo francês Jacques Maritain foi convidado a ser cardeal, mas recusou.


Monsenhor é um título de honra que se dá a alguns padres, geralmente os que são párocos (se diz curas) da Catedral ou que ocupam cargos altos na diocese.

Nenhum comentário:

Postar um comentário