sexta-feira, 8 de fevereiro de 2013

LUCAS CAPÍTULO 16



Lucas 16,1-8- O ADMINISTRADOR INFIEL

Entenda a parábola desta maneira: o administrador obtinha lucro cobrando algumas unidades a mais da mercadoria. O problema é que esse administrador cobrava muito mais do que o previsto pelo dono. o que ele fez para ter aonde ir depois de se descoberto? Abdicou, renunciou ao seu lucro. Assim também devemos fazer:imitá-lo e deixar de lado tudo o que nos for separar de Jesus. Estaremos, desse modo, "perdendo a vida", ou seja, deixando os vícios, os pecados, o que é proibido, para ganhar a vida eterna. O homem, ao renunciar o seu lucro, aliás, indevido, ganhou a simpatia dos devedores, que o receberam (nossa entrada no céu) depois que ele foi despedido do trabalho (TA e BJ).

Lucas 16,9-15 - O BOM EMPREGO DO DINHEIRO

"A palavra de Deus quer que tenhamos ideias claras sobre o papel do dinheiro na vida (...) O cristão sabe que o mundo, com todos os seus bens, é de Deus. Pessoas e estados são simples administradores(...) O testemunho de um grupo de cristãos, mesmo reduzido, é um ponto luminoso (...) O cristão não quer ter mais do que o necessário, para que os outros não fiquem sem o necessário." (MC). A preocupação dos bens materiais não devem nos desviar da verdadeira riqueza. 

Lucas 16,16-18- TRÊS ASSUNTOS DIFERENTES

Diz a Bíblia de Jerusalém que esses três versículos estorvam a composição deste capítulo, pois são três assuntos diferentes do restante.

v. 16- Violência =com perseverança, coragem, sem desânimo.

v.17- Não adulterar a lei nem querer "lixar" o evangelho de tal forma que ele caiba em qualquer situação. Somos nós que devemos nos "lixar" para entrarmos nos moldes do evangelho.

v.18- O famoso problema do adultério. Só se pode casar com uma pessoa. Outra, só se essa pessoa vier a falecer. A doutrina da Igreja Católica é muito exigente nesse assunto, e segue à risca os ensinamentos de Jesus Cristo. Só se pode casar-se outra vez, recebendo o Sacramento do Matrimônio, os viúvos e os que tiveram o seu casamento anterior tido como nulo pelo Tribunal Eclesiástico. É que só é verdadeiro e válido o casamento em que ambos desejam casar-se e estão livres de qualquer impedimento. Assim, se o rapaz for obrigado a casar-se porque o pai da noiva o ameaça, esse casamento não é válido e mesmo a Igreja Católica o declara nulo, podendo, assim, o rapaz, casar-se na Igreja com a moça a quem ele realmente ama. Parece-me que há várias maneiras de interpretar o ensinamento de Jesus nesse assunto...

Lucas 16,19-31- O RICO  E O POBRE LÁZARO

Quem garante que o pobre Lázaro era uma pessoa boa? Ninguém. Da mesma forma, também não  podemos dizer que o rico fosse mau, a não ser por esse problema abordado. A parábola quer nos ensinar várias coisas, mas a mais importante é que no mundo não pode haver ricos e pobres. Todos deveriam ter o suficiente para viver bem. Está errado dizer que há ricos bons e ricos maus. A maldade, aí, é uma pessoa ser pobre e outra, rica, pois tudo o que existe pertence a Deus, que é nosso Pai e, portanto, todos são irmãos, que deveriam saber partilhar uns com os outros os bens recebidos.

Há outros pontos que costumam ser aproveitados:

1- Com essa história, sabemos que após a morte não ficaremos adormecidos, mas acordados, conscientes.

2- O rico pediu a intercessão de Abraão, como nós pedimos as intercessão dos santos.

3- No versículo 31, Jesus está pregando aos fariseus e demais judeus que não acreditam em Jesus e em sua ressurreição. Abraão não tem força alguma na história = isso simboliza a religião judaica. Só a intervenção de Jesus (morte e ressurreição) pode salvar quem quer que seja: tanto o rico como o pobre. Tanto um como outro não podem salvar-se sozinhos, com as próprias forças. 


Nenhum comentário:

Postar um comentário

DIGITE AQUI O SEU COMENTÁRIO