sábado, 29 de setembro de 2012

SANTOS ARCANJOS


HOMENAGEM AOS ARCANJOS 
S.MIGUEL, S. GABRIEL 
E S. RAFAEL.

OS OUTROS SEIS ARCANJOS SÃO: URIEL, JEGUDIEL, JEREMIEL, SEALTIEL, SALATIEL E BARAQUIEL.


VEJA OS RELATOS DE PEDRO SIQUEIRA SOBRE SUAS VISÕES SOBRE O PURGATÓRIO (ele já foi a vários tipos de purgatório) E SUAS VISÕES E SOBRE OS ANJOS E ARCANJOS.Como o vídeo pesa muito no blog, eu coloquei aqui o link para que você possa acessá-lo.



O terço de São Miguel você encontra no nosso blog de orações, TERÇO DE SÃO MIGUEL ARCANJO


 hino

Arcanjos, para vós
um canto de vitória,
porque no céu reinais,
imensa é a vossa glória.


Miguel, invicto príncipe
da corte celestial,
firmai-nos, com mão fúlgida,
na graça divinal.


Do máximo mistério
arauto, ó Gabriel,
guiai-nos nos caminhos
da luz que vem do céu.


Conosco, ó Rafael,
à pátria caminhai.
Aos corpos dai saúde,
as mentes libertai.


Vós, anjos, ajudai-nos
nas sendas que trilhamos.
De vosso eterno gozo
consortes nós sejamos.


Ao Pai Supremo, ao Filho,
e ao Consolador
a honra eternamente
num hino de louvor.


Hino 
Ó Cristo, Luz de Deus Pai, 
vida e vigor que buscamos 
dos vossos anjos, adiante, 
de coração vos louvamos. 
Doce cantar alternando, 
nosso louvor elevamos. 


À celestial legião 
também cantamos louvor, 
e destacamos seu Chefe 
com sua força e vigor: 
Miguel, invicto pisando 
o vil dragão tentador. 


Ó Cristo, Rei compassivo, 
de nós lançai todo mal. 
Em corpo e alma guardados 
por Guardião sem igual, 
em vosso amor concedei-nos 
o Reino celestial. 


Glória cantamos ao Pai, 
ao Filho glória também. 
Ao que procede dos dois 
a mesma glória convém, 
pois são os três um só Deus 
por todo o sempre. Amém. 

Hino 

Lá do alto enviai-nos, ó Cristo, 
vosso anjo da paz, São Miguel. 
Sua ajuda fará vosso povo 
crescer mais, prosperando, fiel. 

Gabriel, o anjo forte na luta, 
nosso tempo sagrado visite, 
lance fora o antigo inimigo
e, propício, conosco habite. 

Enviai-nos dos céus Rafael, 
o bom anjo que cura os doentes, 
para a todos os males sarar 
e guiar nossos atos e as mentes. 

Cristo, glória dos coros celestes, 
vossos anjos nos venham guiar, 
para, unidos a eles um dia, 
glória eterna ao Deus Trino cantar. 


Segunda leitura
Das Homilias sobre os Evangelhos, de São Gregório Magno, papa


(Hom. 34,8-9:PL76,1250-1251)


(Séc.VI)







A palavra anjo indica o ofício, não a natureza.  É preciso saber que a palavra anjo indica o ofício, não a natureza. Pois estes santos espíritos da pátria celeste são sempre espíritos, mas nem sempre podem ser chamados anjos, porque somente são anjos quando por eles é feito algum anúncio.

 Aqueles que anunciam fatos menores são ditos anjos; os que levam as maiores notícias, arcanjos. Foi por isto que à Virgem Maria não foi enviado um anjo qualquer, mas o arcanjo Gabriel; para esta missão, era justo que viesse o máximo anjo para anunciar a máxima notícia.

Por este motivo também a eles são dados nomes especiais para designar, pelo vocábulo, seu poder na ação. Naquela santa cidade, onde há plenitude da ciência pela visão do Deus onipotente, não precisam de nomes próprios para se distinguirem uns dos outros.

Mas quando vêm até nós para cumprir uma missão, trazem também entre nós um nome derivado desta missão. Assim Miguel significa: “Quem como Deus?”; Gabriel, “Força de Deus”; e Rafael, “Deus cura”.

Todas as vezes que se trata de grandes feitos, diz-se que Miguel é enviado, porque pelo próprio nome e ação dá-se a entender que ninguém pode por si mesmo fazer o que Deus quer destacar. Por isto, o antigo inimigo, que por soberba cobiçou ser igual a Deus, dizendo: Subirei ao céu, acima dos astros do céu erguerei meu trono, serei semelhante ao Altíssimo ( cf. Is 14,13-14), no fim do mundo, quando será abandonado às próprias forças para ser destruído no extremo suplício, pelejará com o arcanjo Miguel, como diz João: Houve uma luta com Miguel arcanjo (Ap 12,7).

A Maria é enviado Gabriel, que significa “Força de Deus”. Vinha anunciar aquele que se dignou aparecer humilde para combater as potestades do ar.Portanto devia ser anunciado pela força de Deus o Senhor dos exércitos que vinha poderoso no combate.

Rafael, como dissemos, significa “Deus cura”, porque ao tocar nos olhos de Tobias como que num ato de cura, lavou as trevas de sua cegueira. Quem foi enviado a curar, com justiça se chamou “Deus cura”.

Oração 

Ó Deus, que organizais de modo admirável o serviço dos Anjos e dos homens, fazei que 
sejamos protegidos na terra por aqueles que vos servem no céu. Por nosso Senhor Jesus 
Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo. 


sábado, 22 de setembro de 2012

O ESPÍRITO SANTO


Tirado do site www.catequisar.com.br , autorizado pelo autor do texto. Veja depois deste texto, a novena de Natal.

(quem desejar um estudo mais completo, veja o texto do nosso site EVANGELHO E CATEQUESE (basta clicar neste link), que é na íntegra tirado do Catecismo Católico, com o mesmo título: "O Espírito Santo", na secção Catecismo 2012)

Para ler: - At 2,1-13; - Jo 20,22-23; - Jo 3,5-8; - Jo 16,13-14; - Jo 14,16.26;- Jo 15,16; - Jo 16,7; - Mt 28,19; - 1Jo 2,1; - Gl 3,14; - Gl 4,6; - Ef 1,13; - Rm 8,9.11.14; - Rm l5, - Rm 19; - 2Cor 3,- 2Cor 17; - 1 Cor 6,11; - 1Cor 7,40; - IPd 4,14.

É uma das três Pessoas da Santíssima Trindade, consubstancial ao Pai e ao Filho, e com o Pai e o Filho é adorado e glorificado. É a última Pessoa de Deus revelada.

Conhecemos o Espírito Santo na Igreja e no Magistério da Igreja, nas Escrituras, na Tradição, na Liturgia Sacramental, na oração, nos carismas e nos ministérios, nos sinais de vida apostólica e missionária, no testemunho dos santos.

Espírito é uma palavra (Ruah) que significa sopro, ar, vento. Não podemos entender as palavras "espírito" e "santo" separadas, mas somente juntas, designando a Pessoa inefável do Espírito Santo, sem equívoco possível com os outros empregos dos termos "espírito" e "santo". Paráclito significa: "aquele que é chamado para perto", "advogado", "consolador". Chamamo-lo também de Espírito da promessa, de adoção, de Cristo, do Senhor, de Deus, de glória.

Os símbolos do Espírito Santo são vários: água, unção, fogo, nuvem e luz, selo, mão, dedo, pomba. Infelizmente, as pessoas insistem em representá-lo apenas como um pombo. Veja abaixo:

Água: - ICor 12,13; - Jo 19,34; - Jo4,10-14; - Jo7,38; - IJo 5,8; - Êx 17,1-6; - Is 55,1; - Zc 14,8; - ICor 10,4; - Ap 21,6; - Ap 22,17.

Unção: - IJo 2,20.27; - 2Cor 1,21; - Êx 30,22-32; - ISm 16,13; - Lc 4,1.18-19; - Lc 2,11.26-27; - Lc 6,19; - Lc 8,46; - Is 61,1; - Rm 1,4; - Rm 8,11; - At 2,36; - Ef 4,13.

Fogo: - Eclo 48, 1; - lRs 18,38-39; - Lc 1, 17; - Lc 3,16; - Lc 12,49; - At 2,3-4; - 1Ts 5,19.

Nuvem e Luz: - Ex 24,15-18; - Ex 33,9-10; - Ex 40,36-38; - 1Cor 10,1 -2; - 1Rs 8,10 -12; - Lc 1,35; - Lc 9,34-35; - Lc 21,27; - At 1,9.


Selo: - Jo 6,27; - 2Cor l,22; - Ef 1,13; - Ef 4,30.

Mão: - Mc 6,5; - Mc 8,23; - Mc 10,16; - Mc 16,18; - At 5,12; - At 14,3; - At 8,17-19; - At 3,3; - At 19,6; - Hb 6,2.

Dedo: - Lc 11,20; - Êx 31,18; - 2Cor 3,3.

Pomba: somente em - Mt 3,16 e pararelos, além da pomba do dilúvio, que não é símbolo do Espírito Santo.

O Espírito Santo, que Cristo, Cabeça, derrama nos seus membros, constrói, anima e santifica a Igreja, que é o sacramento da comunhão da Santíssima Trindade e dos homens. É pêlos Sacramentos da Igreja que Cristo comunica aos membros de seu Corpo o seu Espírito Santo e Santificador.

O Espírito Santo prepara os homens para atraí-los a Cristo; manifesta-lhes o Senhor Ressuscitado; lembra-lhes de sua Palavra; abre-lhes o espírito à compreensão da Morte e Ressurreição de Jesus; torna-lhes presente o mistério de Cristo, na Eucaristia, para reconciliá-los, colocá-los em comunhão com Deus para que produzam muitos frutos (Jo 15,5.8.16).

Essa ação do Espírito Santo pode ser melhor compreendida nos seus Sete Dons, que podemos entender bem nesta oração que um frei franciscano escreveu em 1945 e que resumimos:

"Ó Espírito Santo, concedei-me o dom do Temor de Deus, para que eu sempre leve a sério a presença da Santíssima Trindade em minha vida e siga a vontade divina; concedei-me o dom da Piedade, para que eu sinta prazer na oração e no amor a todas as pessoas; concedei-me o dom da Ciência, para que eu conheça profundamente a mim mesmo e saiba como evitar o pecado; concedei-me o dom da Fortaleza, para que eu não tenha medo de nada, a não ser de perder o Vosso Reino. Que eu tenha forças para enfrentar o mal, as perseguições, e tudo aquilo que não puder evitar, e nunca vos renegue; concedei-me o dom do Conselho, para que eu sempre escolha o que mais vos agrada, e saiba também aconselhar o próximo; concedei-me o dom do Entendimento (da Inteligência), para que eu entenda bem as mensagens da Sagrada Escritura e da doutrina da Igreja; concedei-me o dom da Sabedoria, a fim de que eu cada vez mais goste de seguir com alegria o caminho que Jesus nos ensinou. Glória ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo, como era no princípio, agora e sempre. Amém".

A revelação plena da Santíssima Trindade é feita no dia de Pentecostes.

A partir desse dia, o Reino anunciado por Cristo está aberto aos que crêem nele. Pela vinda do Reino, o Espírito Santo faz o mundo entrar nos "últimos tempos", o tempo da Igreja, o Reino já recebido em herança, mas ainda não consumado.


(o texto a seguir é do nosso blog)

A CRISMA

O Sacramento da Crisma é um complemento ao do Batismo e nos infunde o Espírito Santo como força divina. É dado depois dos 12 anos de idade e fortalece o(a) católico(a) para escolher e trilhar o caminho estreito do bem, para poder ser atuante na comunidade e fora dela, como os profetas Isaías, Jeremias, Ezequiel, Elias etc, tornando-o o sal da terra, a luz do mundo e o fermento da massa, como podemos ver em Mateus 5,13-16; cap. 13,33; Atos 2,1-13; João 20,22-23; cap. 16,13-14; cap. 3, 5-8; Atos 19,2-7.

O Espírito Santo de Deus está conosco desde o Batismo, e sua força é completada com a Crisma. Durante a vida precisamos deixar que o Espírito Santo atue em nós, nos fortaleça com o fogo do seu Amor, e recebemos, desse modo, seus 7 dons: Sabedoria, inteligência, conselho, ciência, fortaleza, piedade e temor de Deus. Se não permitirmos que Ele atue em nós, Ele não vai nos abandonar, mas, respeitando a nossa decisão, não nos obriga a ouvi-lo, a seguir suas inspirações. Muitos movimentos da Igreja, atualmente, chamam isso de “Batismo no Espírito Santo”. Não é que somos batizados outra vez, mas sim, que nós aceitamos o Espírito Santo em nossa vida e permitimos que Ele nos inspire, nos ajude, nos leve à santidade. Veja no Curso do Crisma uma explicação mais completa sobre os sete dons do Espírito Santo.