sábado, 21 de julho de 2012

MATEUS CAPÍTULO 26




ÚLTIMOS DIAS DE JESUS

Qualquer explicação que eu arriscasse aqui, seria insuficiente para explicar o que aconteceu com Jesus. Vou dar apenas algumas informações gerais. Vale a pena ler esses dois capítulos e deixar que as próprias palavras do Evangelho o (a) levem à verdade da fé: Jesus Cristo é 100% Deus com o Pai e o Espírito Santo e 100% homem, “Deus conosco”.

Mateus 26,6-13: preparação de Jesus para a sepultura, pois ele iria sofrer nos dias seguintes e morrer.

Mateus 26,17-19:- a preparação da celebração da Páscoa judaica, que era composta de 1 carneiro assado, 4 cálices de vinho, pães ázimos e ervas amargas.

Mateus 26, 20-25: Jesus, durante a ceia pascal, anuncia que vai haver um traidor.

Mateus 26,26-29- Jesus instituiu, ou seria melhor dizer, “inventou” a Eucaristia, ou seja, uma forma de, mesmo indo para o céu, continuar aqui conosco em forma de alimento do pão e do vinho, que após consagrado na Missa. são seu Corpo e Sangue, que recebemos para nos fortalecer e sermos um só com ele. Com a Eucaristia, Jesus instituiu também o sacerdócio católico, para consagrar a Eucaristia.

Mateus 26,30-35- Predição da traição de Pedro e preparação do coração dos apóstolos para não se escandalizarem com a sua morte.

Mateus 26,36-46:- No Getsêmani, jesus reza sozinho, pois os apóstolos comeram e beberam tanto na Ceia Pascal que caíram no sono. Jesus, com certa ironia, falou, no versículo 45, depois da oração que fizera por uma hora ou mais: “Dormi agora e repousai” como quem diz; “a hora que vocês deveriam ter vigiado comigo passou. Agora é comigo (a sua paixão). Vocês podem dormir, se quiserem”.

Em nossa vida perdemos muitas oportunidades de termos encontrado Jesus, de termos sido felizes. Esses momentos não voltam mais. Entretanto, pedindo perdão e comprometendo-se pelo Reino de Deus, Jesus nos perdoará e nos dará outros momentos felizes. Mas quem aproveitou bem os outros momentos que se passaram, serão muito mais felizes e realizados. Vai haver uma hora em que o nosso coração estará tão endurecido pelas horas de encontro com o Senhor que não tivemos, que deixamos passar, que não vamos mais querer nos abrir com Ele. Eu já atendi pessoas no leito de morte que se recusaram a confessar-se e a receber o perdão!

Mateus 26 – 47-56:- A prisão de Jesus. Ao mandar Pedro guardar a espada (v. 52), diz alguns autores que Jesus, na verdade, manda que todos nós procuremos resolver nossas diferenças, os problemas, na paz, sem armas ou guerras. É incrível como a guerra não pára naquelas regiões em que Jesus viveu! O interesse econômico, o ódio, a ganância, são as maiores causas das guerras. Não temos o direito de matar ninguém! Por Jesus, nós, cristãos, somos da paz e não da guerra. Que o diálogo supere o preconceito!

No versículo 53, Jesus diz claramente que Ele poderia livrar-se da prisão e da morte, se quisesse, Jesus nos salvou não porque simplesmente morreu na cruz, mas porque aceitou livremente morrer na cruz, como um ser humano. Se ele usasse seu poder divino em benefício próprio, não nos teria salvo. Como Adão e Eva desobedeceram e com isso puseram a perder a humanidade, Jesus, obedecendo ao Pai e aceitando viver 100 porcento como homem e, portanto, aceitando a morte de cruz nos salvou.

Era impossível mesmo para Deus dar uma “vocação” a Judas para ele trair Jesus, ou mesmo para Pilatos condená-lo á morte. Então, Jesus não veio aqui para ser assassinado! Deus nunca poderia ter mandado alguém matar outro alguém! Por isso afirmo: Jesus não veio à terra para ser morto, mas para obedecer ao Pai e, além de continuar a ser 100 Deus, ser também 100 homem, e aceitar a morte como qualquer um de nós.

Outro ponto interessante é o versículo 54: Mateus insiste em lembrar que tudo o que iria acontecer a Jesus foi previsto pelos profetas, no Antigo Testamento. Ele lembra sempre isso porque os judeus nunca aceitariam um Messias aparentemente derrotado, como o foi Jesus (aparentemente). Ele quer dizer que está tudo certinho, como nas escrituras, ou seja, tudo sob controle, e que isso mostra que Jesus é, realmente, o Messias profetizado e esperado.

Em nossa vida, aprendamos essa lição: será que encontramos Jesus quando procuramos glória, riqueza e poder? Ou será que o encontramos mais na simplicidade, na paz, na caridade, na partilha?

Mateus 26,57-68:- Jesus no Sinédrio. Jesus se mostra publicamente como o Messias, no versículo 64. Ele se mostraria, depois, só na glória, após a ressurreição, e em sua presença na Igreja.

Nos versículos 67 e 68, o correto é lembrar, como em Lucas 22,64, que Jesus estava com os olhos vendados e não podia ver. Foi uma falha na redação de Mateus.

Mateus 26,69-75:- A negação de Pedro:- Pedro “chorou amargamente” - vers. 75. Ele se arrependeu e recomeçou a vida. Em João 21,15-17, Jesus quase que forçou-o a dizer três vezes que o amava, para talvez compensar as três vezes que o negara.

Jesus nos perdoa. Em 1 João1,9 a 2,2, e em alguns outros trechos, João diz que Jesus está disposto a perdoar a quem se arrepender e se comprometer a não mais pecar. “ Se confessarmos nossos pecados ele é fiel e justo: para perdoar os nossos pecados e purificar-nos de toda injustiça”.

A maior tentação que podemos ter é acharmos que não fomos perdoados. Quando a gente sentir-se assim e já pediu perdão, já se arrependeu, coloquemo-nos nas mãos de Deus e digamos cem, duzentas, muitas vezes, mesmo que seja apenas externamente, ou seja, mesmo que não consigamos sentir em nosso coração: “Jesus, Filho de Deus vivo, creio que perdoastes os pecados que cometi e prometo não pecar mais amém.”

Qualquer pecado, por maior que seja, tem perdão, se a gente prometer e se comprometer a não mais pecar. O pecado contra o Espírito Santo é justamente achar que não tem perdão, ou coisa desse tipo.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

DIGITE AQUI O SEU COMENTÁRIO