sábado, 21 de julho de 2012

MATEUS CAPÍTULO 09




Mateus 9, 1-8: A CURA DO PARALÍTICO


Aqui, além da cura, Jesus mostra que tem o poder de perdoar os pecados, além de separar a idéia de que é doente quem é pecador. Os israelitas pensavam que a doença era fruto do pecado, ou seja, todo doente seria um grande pecador que estaria sendo castigado por Deus. Jesus aproveitou-se dessa crença errada para, ao curar o paralítico, mostrar que Ele tinha também o poder de perdoar os pecados.
A paralisia tinha também o significado da falta de ação. Curar o paralítico queria dizer, também, às pessoas, que caminhassem em sua vida, para uma conversão contínua, rumo ao Reino dos Céus.

Mateus 9,9: A VOCAÇÃO DE MATEUS


Mateus era também chamado de Levi. Ele fazia a coleta de impostos para o governo. Talvez a história de sua vocação não tenha sido tão rápida como se lê. Pode ser que já havia observado Jesus por dias e dias. Quando Jesus chamou-o, ele provavelmente já havia meditado no assunto. Conosco, aliás, é assim que funciona: nos nos sentimos atraídos por um determinado modo de vida, vamos pensando no assunto, tomando providências, até que um dia vem em nossa cabeça a certeza de que é aquilo mesmo que queremos: deixamos, então, muitas coisas de lado para seguirmos nossa vocação.

Nós temos uma vocação maior, que engloba várias outras menores. Vale a pena cultivar a maior e procurar crescer nas menores, sempre nos perguntando se é realmente aquilo que Deus quer de nós e, claro, rezando para que estejamos ouvindo e entendendo bem os apelos divinos.

Por exemplo: ser padre é a vocação maior do Pe. Fábio de Mello. Ser cantor é uma das vocações menores dele. Se algum dia por algum motivo ele deixar de cantar, apenas deixou uma de suas vocações menores, mas continua com a maior, que é ser padre.


Mateus 9,10-13:- JESUS TOMA REFEIÇÃO COM OS PECADORES

Para os judeus, comer na mesma mesa que outra pessoa significava concordar com suas idéias. Jesus, ao sentar-se à mesa com pessoas consideradas “impuras” pelos fariseus, por terem profissões má afamadas, como a de cobradores de impostos, e por não cumprirem a maioria das 613 leis que orientavam a vida do povo, provocou a ira das autoridades judaicas. Se ele fosse uma pessoa sensata, pensavam os fariseus, não faria isso.

Jesus lembrou -lhes que ele veio para salvar os pecadores (“doentes”, fala o texto), e não os que se dizem sem pecados (os “sadios”, fala o texto). Ou seja: Mateus reconheceu-se pecador e mudou de vida. Seus amigos vieram para conhecer e ouvir Jesus. Esses eram os que se reconheciam pecadores. Os fariseus não se consideravam pecadores, mas santos, embora na verdade não o fossem, pois apenas observavam as leis de modo superficial e externo.

Jesus disse, então, aquela frase que é muito mal entendida hoje em dia: “Misericórdia é o que eu quero, e não o sacrifício”.

Podemos entender bem o que significa isso lendo Amós 5,21-25 ou Isaías 1,11-20 “Sacrifício” não é, aqui, sinônimo de “penitência” como entendemos hoje. Algumas pessoas dizem que essa frase quer dizer que Jesus prefere que pratiquemos a misericórdia do que fazermos penitência. Não é isso! Sacrifício era o ato de oferecer bois, carneiros, pombos, a Deus, por meio do sacerdote do templo. Eles eram matados, e uma parte oferecida a Deus, como se fosse o pedaço dele, e a outra parte era comida pelas pessoas. Como o animal tinha sido oferecido a Deus, ao comermos a nossa parte, estávamos, na verdade, comendo um alimento que vinha de Deus, que era de Deus: o animal não era mais de quem o havia oferecido.

É um pouco o que a gente faz com a Eucaristia: um alimento comum, oferecido a Deus, transformado em Deus e que ingerimos. Portanto, esses sacrifícios de animais foram substituídos por Jesus por seu próprio sacrifício e morte na cruz, culminando com a ressurreição. Ele é o “Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo”. A santa missa é o memorial, ou seja, a atualização, a presentificação da morte e ressurreição de Jesus Cristo.

Atualmente, a frase poderia ser lida desta forma: “Eu prefiro que você pratique a misericórdia(ajudar, partilhar com os outros, perdoar, ser amigo em todas as horas, não abandonar os necessitados) do que ficar o dia todo na igreja sem praticar essa virtude”.

Mateus 9,14-17: O JEJUM

Esse trecho mostra que o jejum só é aproveitado, se nós mudarmos totalmente nosso coração e aderirmos a Jesus. Se fizermos jejum mas continuarmos com nossos vícios, manias, pecados, de nada vai nos adiantar. O jejum pode também ser observado em outras coisas além da alimentação: televisão, deixar de reclamar de tudo, de murmurar, não falar mal dos outros, deixar algum tipo de lazer para ajudar alguém etc.

Mateus 9,18-19.23-26:- A CURA DA FILHA DE JAIRO

Jesus ressuscitou a filha de Jairo, chefe da sinagoga, com apenas um toque de mão. Ele tinha plenamente o poder divino, além de ser plenamente homem.

Mateus 9,20-22:- A HEMORROISSA

Jesus cura a mulher que sofria disso por 12 anos. A fé daquela mulher era tanta que achava bastar encostar a mão na veste de Jesus pra ser curada. E obteve a cura. Se tivermos fé, teremos também confiança plena na ação de Jesus em nossa vida, mesmo que pareça estar ele ausente. Ele, nessas horas de desânimo, está mais presente do que nunca!

Mateus 9,27-31: OS DOIS CEGOS

A fé dos cegos era forte e Jesus pôde curá-los. Para que Jesus mude nossa vida, temos que abrir para ele as portas de nosso coração! Os cegos “enxergavam” com os olhos da fé, muito mais do que os judeus, que não tinham problema de visão. E nós, será que às vezes não pedimos tantos sinais a Deus para que creiamos? Você precisa de estar sempre recebendo abraços e beijinhos de Deus para continuar crendo nele? Cuidado! Pode acontecer que haverão certos dias em nossa vida em que parece até que Deus nem existe! Como faremos, então? Algumas pessoas vivem procurando pequenos sinais de Deus no dia a dia. Não que isso seja errado, mas acho que se tivermos fé, teremos também plena confiança em Deus, em sua sabedoria, e teremos certeza de que Ele está cuidando de nós, como diz S. Pedro no final de sua primeira carta “Lançai sobre o Senhor todas as vossas preocupações, porque ele cuida de vós!”(1 Pe. 5,7).

Mateus 9, 32-34: O ENDEMONIADO

Como já dissemos, nem sempre essas pessoas tinham o “demônio no corpo”. Muitas vezes eram doentes mentais, ou tinham ataques epilépticos. Todas as doenças eram atribuídas ao demônio.


Mateus 9,35-38: OVELHAS SEM PASTOR

O povo tinha seus pastores, os sacerdotes e doutores do templo, mas não eram conduzidos, mas sim explorados por eles. Jesus é o Bom Pastor, que realmente cuida das ovelhas, para que nenhuma delas se perca.

Essa frase de Jesus: “Pedi, pois, ao Senhor da colheita que envie operários para a sua colheita” não signifca apenas o pedido de padres, mas de todos os que possam trabalhar por um Igreja, uma sociedade, um mundo melhor, mais justo e cristão. É um pedido, além de padres, também de cristãos leigos engajados. Cada um de nós tem a incumbência de evangelizar. A ninguém essa missão é negada ou vedada. Jesus pede que todos nós proclamemos o evangelho, não só com as palavras, mas com a própria vida, como diz o pe. Carlos de Foucauld: “Devemos não só proclamar, mas gritar o evangelho com a nossa propria vida!”.

Infelizmente todos nós temos história de mau exemplo em alguma parte de nossa vida, mas sempre é tempo de pedirmos perdão e recomeçarmos. Eu já recomecei um trilhão de vezes. E acho que tenho que recomeçar sempre. E você? 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

DIGITE AQUI O SEU COMENTÁRIO