sábado, 21 de julho de 2012

MATEUS, CAPÍTULO 17



Mateus 17,1-8:- A TRANSFIGURAÇÃO

Eu já li várias interpretações diferentes da Transfiguração do Senhor. Algumas não me convenceram. Para nós, simples seguidores de Jesus sem muitas pretensões exegéticas, acho que bastam estas reflexões a seguir:

Moisés (a lei) e Elias (o profetismo) estão aí para autenticar o ministério de Jesus, ou seja, que Ele é como que um novo Moisés, e também aquele anunciado pelos profetas, e que todos deveriam ouvir suas palavras e as porem em prática. Ficando depois sozinho, vemos claramente que Jesus só ele já bastava , pois Ele é “doutor da lei perfeita e definitiva” (B. de Jerusalém). A sua glória era passageira, porque Ele era também o “Servo” (Is 42,1; Mt 3,16ss), que devia morrer, antes de entrar definitivamente na glória, por meio da Ressurreição.

Mateus precisava mostrar aos judeus, para quem ele escreve, que Jesus é o Messias anunciado pelos profetas e já desejado pelos patriarcas.

Que nós não precisemos dessas aparições ou de sinais para ouvirmos Jesus e pormos em prática o que ouvimos! Atualmente está acontecendo uma verdadeira epidemia de busca de “sinais”. Se o amigo da pessoa levanta a mão um pouco mais alto do que de costume, ela já liga isso com um sinal divino. Se recebe uma rosa,é porque vai receber uma graça de Santa Teresinha. Se vê uma luz envolvendo o padre é porque o que ele falou é verdadeiro (às vezes ela nem se lembra do que ele falou), e assim por diante. Cabe a nós “crermos sem vermos”. A fé é um passo que você dá no escuro, sabendo que há alguém para segurá-lo no outro lado. Já dizia o primeiro capítulo de Sabedoria que não devemos tentar a Deus. Ele se revela apenas para os simples, os que não o tentam. Confira! Está nos primeiros versículos. Hebreus fala de Abraão que ele caminhava “como se visse o invisível”. Que fé admirável!

Mateus 17,9-13:- ELIAS

Elias já veio” - Jesus referia-se a S. João Batista, que o anunciou, como Elias teria feito se estivesse vivo, mas esse testemunho de João não foi reconhecido, não foi aceito (Veja Lucas 1,17).

Mateus 17,14-21:- O ENDEMONIADO EPILÉTICO

Já disse e repito que muitos casos de possessões diabólicas eram, na verdade, doenças que eles não entendiam, não conheciam. A epilepsia, por exemplo: Se tivéssemos fé, disse Jesus, transportaríamos até montanhas de lugar. Falando sobre isso, um pedreiro meu amigo explicou: “Se tivéssemos uma verdadeira fé, seríamos unidos, viveríamos a caridade, e aí seria muito fácil juntar o pessoal e, com pás, picaretas e caçambas, mudarmos uma montanha de lugar.”

Gostei muito dessa sua explicação. Na verdade, a fé deve levar a um trabalho unido pela transformação do mundo e isso faria com que os cientistas, crendo em Deus e na solidariedade, juntassem seus conhecimentos e forças para descobrirem juntos as curas das doenças. Não é isso o que acontece! Cada um quer trabalhar sozinho , para depois ficar rico com o remédio encontrado.

Mateus 17,22-23:- O SEGUNDO ANÚNCIO DA PAIXÃO.

Jesus preparava, aos poucos, os corações dos discípulos para sua paixão e morte de cruz, a fim de que eles não se assustassem muito quando isso lhe fosse acontecer.

Mateus 17,24-27: O TRIBUTO PARA O TEMPLO

Essa “dridacma” era o imposto anual e pessoal para cobrir as necessidades do templo. Pagando por Ele e por Pedro, Jesus mostra que não é contrário ao culto que fazemos na igreja, desde que seja fruto de uma prática religiosa autêntica e sincera. Podemos, também, ver aí a necessidade de pagarmos o dízimo, para manter o culto.

Infelizmente apareceram, hoje em dia, muitas e muitas seitas e denominações religiosas que nos deixam em dúvida quanto á autenticidade de suas atividades. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

DIGITE AQUI O SEU COMENTÁRIO