sábado, 19 de maio de 2012

CO-PARTICIPAÇÃO




O pior defeito de um líder, de um dirigente, ou de pessoas que coordenam algum grupo ou serviço, é ficarem “donos” daquilo, e não abrirem mão para a participação dos demais. São os “donos de igreja”, que só causam aborrecimentos ao padre e aos demais paroquianos.

Acham que só eles trabalham, mas quando alguém se oferece para fazer o tal serviço, dizem que não é preciso. Criticam o que os outros fazem: só ele é que faz direito o trabalho. Às vezes, pegam vários trabalhos, dominando a comunidade.

Eu pessoalmente tive muitas dores de cabeça com essas e esses “abnegados” católicos que querem fazer tudo, atravancam o andamento da comunidade e não permitem que os outros tomem os seus lugares. São às vezes ciumentos e possessivos .

É preciso, caros amigos leitores, que façamos tudo de modo co-participado, ou seja, lembremo-nos sempre que somos apenas UMA pessoa em meio a outras, que como nós, estão querendo dar suas contribuições para o crescimento do Reino de Deus.

Vamos sentir necessidade dos outros no trabalho pastoral! Planejemos nossos trabalhos com eles! Esperemos quando vemos que alguns não estão acompanhando o ritmo de trabalho. É melhor demorarmos um pouco mais a caminhada do que caminhar sozinhos!

Na bíblia há vários trechos que sugerem o trabalho comunitário co-participado. Posso lembrar, por exemplo, Atos 2,44-46:

Todos os que tinham abraçado a fé reuniam-se e punham tudo em comum: vendias suas propriedades e bens, e dividiam-nos entre todos, segundo as necessidades de cada um. Dia após dia, unânimes, mostravam-se assíduos no Templo e partiam o pão pelas casas, tomando o alimento com alegria e simplicidade de coração”.

Apocalipse 2,2: Conheço (A Igreja em Éfeso) tua conduta, tua fadiga e tua perseverança: sei que não podes suportar os malvados: pusestes à prova os que se diziam apóstolos – e não o são – e os descobriste mentirosos”

Atos 8,18-19: “ Quando Simão (o mago) viu que o Espírito Santo era dado pela imposição das mãos dos apóstolos, ofereceu-lhes dinheiro, dizendo: 'dai-me também a mim este poder, para que receba o Espírito Santo todo aquele a quem eu impuser as mãos!'”.

Quantas pessoas por aí que dominam as comunidades com seu individualismo não estariam prontas a oferecer dinheiro para obterem poderes especiais! Assim, poderiam controlar mais ainda a situação!

Infelizmente, muitos desses donos e donas de igrejas não se tocam e não se convertem. Sempre dizem que não são assim como a gente diz, que nós os perseguimos só porque trabalham muito pela Igreja, e coisas desse tipo. Seria interessante se mudassem sua conduta e se convertessem, que aprendessem a trabalhar na base da partilha, da co-participação, do trabalho em comum, em grupo, numa fraternidade desejada por Jesus Cristo: Onde dois ou mais estiverem reunidos em meu nome, aí estarei”.


Nenhum comentário:

Postar um comentário