quarta-feira, 11 de janeiro de 2012

AS PARÁBOLAS DE JESUS




  São histórias que Jesus usava para ensinar o caminho da salvação ao povo. Há dois tipos: a parábola, propriamente dita, que tem um sentido geral, ou seja, não perguntamos o que significa parte por parte, mas procuramos perceber o sentido geral do texto e a alegoria, em que cada elemento tem sua significação.

    Por exemplo: a parábola do administrador infiel (Lucas 16,1-10). Nela não podemos fazer comparações. O sentido é geral. Quanto à alegoria da vinha abandonada (Lucas 20,9-19), cada parte significa uma coisa: a vinha é o povo de Deus. Os lavradores seriam os dirigentes do povo, como sacerdotes e escribas. Os servos enviados pelo dono da vinha são os profetas. O filho do dono da vinha é o próprio Jesus.
   
    A chamada parábola do semeador, como está na bíblia é uma alegoria (Mateus 13,1-23): cada local em que a semente cai significa uma coisa.

    É muito proveitoso lermos e meditarmos as parábolas. Elas nos ensinam muitas coisas boas: o perdão, a confiança em Deus, a humildade, a escolha da pobreza e a simplicidade diante da riqueza da graça de Deus, a insistência na oração, a misericórdia, a caridade, a alegria pelo encontro do Reino de Deus...


Parábolas eram histórias que Jesus usava para ensinar o caminho da salvação ao povo. Os judeus não eram filósofos como os gregos e, em vez de definições (de que os gregos tanto gostavam), usavam as parábolas, as histórias. Por exemplo: os gregos diriam “ A persistência é coroada com a vitória”. Para dizer a mesma coisa, os judeus contariam talvez a história de uma queda d'água que faria um furo na rocha se caísse no mesmo lugar por muitos anos. É o que a gente conhece com “Água mole em pedra dura, tanto bate até que fura”. Nós já falamos a definição pronta; eles contariam uma história para chegarmos à mesma conclusão.

Há dois tipos: a parábola, propriamente dita, que tem um sentido geral, ou seja, não perguntamos o que significa parte por parte, mas procuramos perceber o sentido geral do texto e a alegoria, em que cada elemento tem sua significação. Por exemplo: a parábola do administrador infiel (Lucas 16,1-10). Nela não podemos fazer comparações. O sentido é geral. Quanto à alegoria da vinha abandonada (Lucas 20,9-19), cada parte significa uma coisa: a vinha é o povo de Deus. Os lavradores seriam os dirigentes do povo, como sacerdotes e escribas. Os servos enviados pelo dono da vinha são os profetas. O filho do dono da vinha é o próprio Jesus.

A chamada parábola do semeador, como está na bíblia é uma alegoria (Mateus 13,1-23): cada local em que a semente cai significa uma coisa.


É muito proveitoso lermos e meditarmos as parábolas. Elas nos ensinam muitas coisas boas: o perdão, a confiança em Deus, a humildade, a escolha da pobreza e a simplicidade diante da riqueza da graça de Deus, a insistência na oração, a misericórdia, a caridade, a alegria pelo encontro do Reino de Deus...

Vamos ver agora as parábolas e um resumo do que Jesus quis ensinar com cada uma delas, lembrando que algumas delas cabem em mais de um tema:

1 – O ADMINISTRADOR INFIEL – Lc 16,1-9 :
-Usar os bens que passam para alcançar os que não passam, ou seja, partilhar o que se tem para ganhar o paraíso, tendo em vista que os bens materiais duram pouco e a felicidade no céu é eterna. Deus é o unico e verdadeiro bem de nossa vida; É idiotice querer levar vantagem em tudo, pois “ De que adianta ganhar o mundo inteiro se se perder a vida (eterna)?”

2 – AGRICULTORES REBELDES Mt 21,33-46; Marcos 12,1-12; Lucas 20, 9-19. - As autoridades judaicas e a maioria dos judeus não aderiram a Jesus nem às suas palavras e acabaram levando-o à morte. Assim também o BANQUETE NUPCIAL: Mt 22,1-14, OS DOIS FILHOS: Mt 21,28-32.; A GRANDE CEIA:- Lucas 14,16-24; PAI DE FAMÍLIA- Mt 13,52: Jesus veio trazer a boa nova. As tradições judaicas estavam ultrapassadas. Corremos o mesmo risco em relação à nossa Igreja e às nossas ações: sempre devemos renovar a nossa mente, com a luz do Espírito Santo.;A ROUPA VELHA :- Mateus 9,16; Marcos 2,21; Lucas 5,36; O VINHO NOVO: Mt 9,17; Mc 2,22; Lc 5,37-39: O vinho novo é a mensagem de Jesus; o vinho velho é o AT; o odre velho é aquele sistema de 613 leis ultrapassadas que os judeus seguiam; o odre novo é a orientação nova e de liberdade que Jesus nos dá: “O meu jugo é suave, o meu fardo é leve”.

3 – ALIMENTO Mt 15,11:- São os nossos maus pensamentos e atos que nos prejudicam, e não os alimentos. Diz o livro do Eclesiástico que se houvesse algo aqui na terra de que Deus não gostasse, Ele não o teria criado.

4 – AMIGO IMPORTUNO: Lucas 11,5-8 – Devemos rezar, orar sempre que Deus atende, de acordo com o que realmente precisamos. A insistência na oração, diz Santo Agostinho, vai transformando nossa mente, nosso coração, vai nos preparando para recebermos a graça pedida. É como o garoto que pede a bicicleta para o pai no meio do ano, mas só a recebe, com muita alegria e expectativa, no final do ano, mas esse tempo de espera lhe vai fazer cuidar melhor da bike. Assim é com as graças que pedimos a Deus.Assim também deve ser entendido JUIZ INÍQUO:- Lucas 18,1-8: A constância e a perseverança na oração.

5- AVARENTO ESTULTO :- Lucas 12, 16-21:- A vida é passageira e este mundo passa logo. É idiotice viver apegado a ele. Assim também a CASA SOBRE A ROCHA :-Mt 7,24-27; Lucas 6.47-49; Constrói a casa sobre a rocha quem baseia sua vida em Jesus e não nos bens materiais e demais coisas ilusórias.

6 – O BOM PASTOR: João 10, 1-16 :-Jesus é o verdadeiro Pastor e Israel deve converter-se e entrar em seu rebanho. Jesus cuida de suas ovelhas, cura a ferida, busca a que se perdeu, se desvela em carinho para os que o buscam.

7- O BOM SAMARITANO:- Lucas10,25-37:-O próximo é aquele que precisa de nossa ajuda, seja ele quem for, amigo ou inimigo. Faz a vontade de Deus quem tirar de sua vida os preconceitos e ajudar a todos. “Amai (até) os vossos inimigos”!

8 – O CISCO E A TRAVE:- Lucas 6,41-42; Mt 7,3-5:- Nunca julgar os outros. Cada um deve olhar para os próprios defeitos. Quando for necessário, podemos fazer uma crítica construtiva se o outro a aceitar, mas nunca julgar. Julgar é colocar más intenções nas ações alheias.

9- AS DEZ MINAS :- Lucas 19,11-27: Frutificar os dons recebidos, com a ajuda de Deus. Se pedirmos, Ele nos concederá todas as graças de que necessitamos para construir um mundo melhor. Assim também devemos entender a FIGUEIRA ESTÉRIL:- Lc 13,6-9-:Sempre devemos dar frutos. Assim também deve ser entendida a parábola dos TALENTOS – Mateus 25,14-30;

10 – AS DEZ VIRGENS: Mt 25,1-13:- Vigiar, orar, e nunca pecar. Se pecarmos, pedir perdão e recomeçar, com uma intenção pura e firme de não pecar mais. Lembrem-se de que as cinco virgens que não entraram nas bodas ERAM VIRGENS! Mas não entraram assim mesmo. A castidade, se não estiver aliada à caridade, ao amor ao próximo, não vai ser “passe livre” para entrarmos no céu. Fechar-se numa virgindade infrutífera e individualista é não temos “óleo na nossa lâmpada”.

11- OS DOIS DEVEDORES: Lucas 7,41-42:- Ama mais a Deus quem foi perdoado de maiores pecados.

12 – EMPREGADO CRUEL ( OS 10 MIL TALENTOS): Mt 18,23-35 Perdoar os outros é a condição para que Deus também nos perdoe. Dez mil talentos equivale a três milhões de gramas de ouro; o que o outro devia a esse que não o perdoou equivale a umas 400 gramas apenas. A dívida que temos com Deus é enorme! A dívida que os outros têm conosco é pequena, em vista do que devemos a Deus. Calcule quanto é 3 toneladas de ouro atualmente!

13- EMPREGADOS INÚTEIS – Lc 17,7-10:- Não temos mais do que a obrigação de sermos santos e servirmos a Deus ae ao próximo, sem esperar nada em troca. O paraíso, que Deus nos promete, compensa nossa boa vontade em querer servir a Deus por meio do próximo.

14- EMPREGADOS VIGILANTES:- Mt 24, 42-51; Lucas 12,35-48:- Podemos morrer a qualquer hora e devemos estar sempre preparados para prestarmos contas a Deus de nossa vida. Você está preparado? Eu lhe confesso que eu não me sinto ainda bem preparado...

15- O FARISEU E O PUBLICANO: - Lucas 18,9-14:- Ser humilde diante de Deus para ser perdoado e atendido. Diz Sabedoria 1,1-5 que Deus se revela a quem o busca com simplicidade e humildade.

16- FERMENTO:- Mt 13,33- Nosso trabalho deve ser dirigido a Deus, e não para nos engrandecer. O Reino de Deus é independente de nós. Só cabe a nós plantar a semente e, no caso desta parábola, fermentar a massa. O resto é Deus quem faz. O fermento se perde na massa. Assim nós, com nosso trabalho: só Deus importa.Também assim deve ser entendido O GRÃO DE MOSTARDA: - Mt 13,31-32; Mc 4,30; Lucas 13,18.; SEMENTEIRA:- Mc 4,26-29;

17- FILHO PRÓDIGO: Lucas 15, 11-32:- Alegremo-nos com a conversão dos outros e devemos recebê-los de volta na comunidade com muito amor. Esta parábola é chamada melhor de “parábola do Pai Misericordioso”, para mostrar que Deus está sempre pronto a perdoar-nos e nos dar uma nova chance, mas nós muitas vezes não agimos assim com os outros, como fez o filho que não saiu de casa: ele não queria receber o irmão de volta.

18 – O GRÃO DE TRIGO:- João 12,24:- Se quisermos viver em pecado, não daremos frutos. Se morrermos para o pecado, daremos frutos. “Se a semente não morrer, não germinará”.

19- O JOIO E O TRIGO- Mt 12,24-43:- Deus tem paciência conosco enquanto vivermos e aguarda nossa conversão. Os bons e os maus só serão separados após a morte, no julgamento. Há um pouco de joio e de trigo em cada um de nós. Enquanto vivermos, dificilmente seremos apenas trigo ou apenas joio. ]Assim também deve ser entendida a REDE:- Mt 13,47-50

20- LÂMPADA:- Mt 5,15; Marcos 4,21; Lucas 8,116: 11,33-36:- Devemos sempre dar o bom exemplo, para pregarmos o evangelho nem tanto com as palavras, mas com a própria vida (Beato Carlos de Foucauld). Assim também deve ser entendida a parábola do SAL:- Mateus 5,13; Marcos 9,49-50.

21- MEDIDA- Mc 4,24; Lc 6,38:- A medida que usarmos para medir os outros, é a mesma que Deus usará para medir nossos atos.

22 – MOEDA PERDIDA: Lc 15,8-10: Encontrar o Reino de Deus traz alegria semelhante a uma pessoa que perdeu e depois encontrou uma moeda. Se pecamos, perdendo o caminho do Reino, peçamos perdão para o reencontramos na pessoa de Jesus Cristo e do próximo.Assim também deve ser entendida a PEDRA PRECIOSA Mt 13,45-46: Deixar de lado o pecado e as tradições ultrapassadas, os bens materiais, e aderir ao Novo Reino de Deus com alegria. O TESOURO ESCONDIDO:- Mateus 13,44\;

23- OVELHA PERDIDA: Mt 18,12-13. Lucas 15,1-7: Deus quer a nossa conversão e para isso tem muita paciência, está pronto a nos perdoar e a nos acolher. Com o pecado nos perdemos; com o perdão de Deus nós o encontramos novamente. Aliás, segundo a parábola, é ele que nos encontra. Ele está sempre presente em nossa vida. Sempre.

24- O REI QUE VAI À GUERRA:- Lucas 114,31-33 e A TORRE:- Lucas 14,28-30:- Confiar só em Deus. Não confiar em si mesmo, nem nos bens que passam. Jesus manda confiarmos plenamente nele, e é bem radical nestas duas parábolas: só ganha a vida eterna quem deixar tudo por amor a Ele e ao Reino. Confira!

25- O RICO AVARENTO E LÁZARO – Lucas 16,19-31:- Devemos fazer o bem enquanto estamos vivos, e usar os bens deste mundo para minorar os sofrimentos dos que não tiveram a mesma sorte.

26 – O SEMEADOR :– Mateus 13, 1-23; Marcos 4, 3-14; Lucas 8,4-15 Nesta parábola do Semeador, é preciso meditar no modo como recebemos a semente da Palavra de Deus em nossa vida. Precisamos sempre recebê-la com alegria e boa vontade, dispostos a pô-la em prática. Entretanto, deve também ser entendida no sentido do Fermento na Massa e no do Grão de mostarda (nº 16), ou seja, a palavra de Deus vai dar frutos, independentemente de nosso trabalho. Cabe a nós semearmos, e cabe a Deus fazer a semente brotar e crescer. Aliás, antigamente, na Palestina, a semeadura era feita antes da aragem da terra. Isso significava que a semente, na semeadura, iria cair na pedra, no espinho, no caminho... mas depois da aragem, todas ou quase todas vão brotar e dar frutos, pois Deus é quem faz crescer. Saindo da Palestina, foi precido mudar a explicação da parábola a fim de que as pessoas de fora pudessem entendê-la. Aí, de parábola se transformou numa alegoria. Se você quiser melhor explicação, escreva para nós e daremos uma explicação melhor.

27 – TRABALHADORES DA VINHA:- Mateus 20,1-16:- O Reino de Deus é infinito, e todos os que entrarem nele terão alegria plena. Ora, um dedal não está menos cheio de água que um copo. Todos terão felicidade máxima, e essas comparações que fazemos aqui na terra sobre quem recebe mais ou menos não tem sentido num lugar infinito e de alegria plena. Todos os que estaremos no céu teremos a mesma recompensa, pois mais seria impossível.

28 – A VIDEIRA E OS RAMOS :- João 15,1-8\;- Nós somos um corpo místico em que Jesus é a cabeça e nós os membros. Tudo o que um de nós fizer de bom, se reflete nos outros. Da mesma forma, o que fizermos de errado também se reflete nos outros. No creio nós dizemos que acreditamos na “comunhão dos santos”: isto quer dizer que acreditamos que todos estamos unidos, como os ramos numa árvore, em que o tronco central é Jesus. Tudo o que fizermos de bom se refletirá na vida dos outros nossos irmãos de modo positivo. O importante é estarmos sempre unidos a Cristo, cabeça do corpo, tronco da árvore, pelo qual passa a seiva, a vida.

Pergunto: Comente esta frase: “Para entender as parábolas é preciso ser sincero, ter boa intenção de aplicar para si mesmo os ensinamentos que elas expôem.

Qual é a parábola de que você mais gosta e por quê?

2 comentários:

  1. alessandro domingos10 de maio de 2013 11:11

    muito bom

    ResponderExcluir
  2. Alessandro, eu gostaria muito se você me enviasse sugestões para melhoria do nosso blog, como a sugestão de assuntos e temas! Infelizmente só tenho até segunda feira, dia 13. Depois só vou poder retornar ao blog em agosto. Um abraço e aproveite bem! Nosso email é 2011catequese@gmail.com

    ResponderExcluir

DIGITE AQUI O SEU COMENTÁRIO