sábado, 16 de setembro de 2017

ÍNDICE PARA CELULARES

ÍNDICE GERAL

TÍTULOS DOS ASSUNTOS

ÍNDICE ALFABÉTICO

LITURGIA DIÁRIA (gentileza do blog Gotas da Palavra)


IMAGEM N. SRA. PERPÉTUO SOCORRO


Esse ícone tem uma história muito bonita, cheia de milagres que a acompanham. Vale a pena ver os dois vídeos. O primeiro é mais curto, para os apressados. O segundo tem meia hora, e lembra o relacionamento de Carlos de Foucauld com esse ícone.


Este é o segundo vídeo, de Urbano Medeiros, maestro, pai de família e seguidor de Carlos de Foucauld:


sexta-feira, 15 de setembro de 2017

AS DORES DE MARIA

Eu não consegui ficar sem partilhar com vocês este vídeo de 4 minutos do Pe. Fernando Cardoso sobre as dores de N. Senhora, neste dia 15 de setembro, em que comemoramos as dores de Maria, ou, no popular, N. Sra das Dores. Ele mostra as dores ocultas de Maria que muitos nem imaginam que houve, como o padre explica no final do vídeo. Vale a pena assistir e meditar sobre o assunto.

A seguir veja o vídeo também sobre as dores de Maria, comentado pelo Sr. Bispo emérito de Blumenau, D. Angélico. Completa o vídeo do Padre Fernando. 


quinta-feira, 14 de setembro de 2017

A PAZ É FRUTO DO PERDÃO

Bonita meditação de 4 minutos do Pe. Fernando Cardoso, sobre o evangelho da 4ª feira da 23ª semana do tempo comum, 13/09/2017. Ser misericordioso como o Pai que está no Céu é fazer aos outros o que queremos que nos façam. E se alguém nos fizer o mal, não responder com o mal, mas com a misericórdia, com atitudes de acolhida e perdão, como queremos que Deus nos faça se pecarmos. "O Deus de misericórdia lhe dará muito mais do que você ofereceu aos demais em seu nome. Faça essa experiência, comece-na hoje, e depois, logo depois, me digam se isso não lhe trouxe paz, não lhe amenizou a vida espiritual e não o (a) colocou mais perto de Deus que é AMOR" (Transcrição do trecho final do vídeo).


domingo, 10 de setembro de 2017

A CORREÇÃO FRATERNA

Quem não sente dificuldade para corrigir? E para aceitar a correção? O Padre Fernando Cardoso fala sobre isso, com bastante sinceridade.( 10/09/17, 23° dom. comum A)
Veja o que o Padre Paulo Ricardo fala sobre o mesmo assunto, e dá um exemplo concreto. 


sábado, 9 de setembro de 2017

COMO GUARDAR O DOMINGO

O Pe. Fernando Cardoso dá umas dicas de como podemos, nos dias de hoje, respeitar o domingo, apesar de tantas reviravoltas que o mundo deu e ainda está dando.

09/09/17, sáb. da 22ª semana do T.C.

segunda-feira, 28 de agosto de 2017

FÉ, ESPERANÇA E CARIDADE

São as três virtudes principais do ser humano, infundidas por Deus, e que temos a possibilidade de acolhê-las ou não. Os cristãos de Tessalônica, comunidade pequena, já as praticavam. É o primeiro escrito do Novo Testamento que chegou até nós, antes mesmo que os evangelhos. Ouça com atenção, se for preciso, várias vezes. (De 28/08/17, Pe. Fernando Cardoso)


quinta-feira, 24 de agosto de 2017

A NOVIDADE DA ESPERANÇA CRISTÃ


Cidade do Vaticano (Quarta-feira, 23-08-2017, Gaudium Press) O encontro desta quarta-feira com os milhares de fiéis na Audiência Geral foi realizado na Sala Paulo VI.



A catequese de Francisco foi inspirada na passagem do Apocalipse: "Eis que faço novas todas as coisas", para falar sobre a "novidade da esperança cristã", uma esperança "baseada na fé em Deus que sempre cria novidades na vida do homem, na história e no cosmos. Novidades e surpresas".

Olhar para o Horizonte último

"Não é cristão caminhar com o olhar voltado para baixo - como fazem os porcos: sempre vão assim - sem levantar os olhos para o horizonte, como se todo o nosso caminho se consumisse aqui, no palmo de poucos metros de viagem; como se na nossa vida não existisse nenhuma meta e nenhum ponto de chegada, e nós fossemos obrigados a um eterno vaguear, sem nenhuma razão para tantas nossas dificuldades. Isto não é cristão", disse o Papa.


E Francisco explicou que "As páginas finais da Bíblia nos mostram o horizonte último do caminho do crente: a Jerusalém do Céu, a Jerusalém celeste", "imaginada antes de tudo como uma grande tenda onde Deus acolherá todos os homens para habitar definitivamente com eles. E esta é a nossa esperança".


Quando estiver com Deus, o que fará Ele comigo?


Mas quando estivermos com Deus, o que Ele fará conosco?, perguntou Francisco e logo respondeu:

"Usará uma ternura infinita em relação a nós, como um pai que acolhe os seus filhos que passaram por muitas dificuldades e sofreram muito".

Foi então que aconselhou seus ouvintes a ler e meditar, de maneira concreta, a profecia de João em Apocalipse 21,3-5. Ali São João diz que Deus enxugará as lágrimas de todas as faces e fará novas todas as coisas. Faça isso, recomendou Francisco, "depois de ter visto o telejornal ou as manchetes dos jornais, onde existem tantas tragédias, onde se fala de tantas notícias tristes às quais todos correm o risco de se acostumar":


"Procurem pensar nos rostos das crianças amedrontadas pela guerra, ao choro das mães, aos sonhos desfeitos de tantos jovens, aos refugiados que enfrentam viagens terríveis. A vida infelizmente é também isto. Às vezes se diria que é sobretudo isto".


E recomendou que diante desta realidade relembrasse que "existe um Pai que chora conosco; existe um Pai que chora lágrimas de infinita piedade em relação aos seus filhos. Nós temos um Pai que sabe chorar, que chora conosco. Um Pai que espera para nos consolar, porque conhece os nossos sofrimentos e preparou para nós um futuro diferente".


Visão da Esperança Cristã


"Esta é a grande visão da esperança cristã, que se dilata sobre todos os dias da nossa existência, e nos quer reerguer!", exclama Francisco.


Deus não criou a nossa vida por equívoco, "obrigando a Si mesmo e a nós a duras noites de angústias", mas nos criou "porque nos quer felizes. É o nosso Pai, e se nós aqui, agora, experimentamos uma vida que não é aquela que Ele quis para nós, Jesus nos garante que o próprio Deus está operando o seu resgate. Ele trabalha para nos resgatar".


Viver é um lento declínio?


O Papa disse que algumas pessoas acreditam que "a vida ofereça todas as suas felicidades na juventude e no passado, e que o viver seja um lento declínio", ou que "as nossas alegrias sejam esporádicas e passageiras, e na vida dos homens esteja inscrita uma falta de sentido. Os que, diante de tantas calamidades dizem: "Mas, a vida não tem sentido. O nosso caminho não tem sentido".

A advertência veio logo a seguir:

"Mas nós cristãos não acreditamos nisto":

"Acreditamos, pelo contrário, que no horizonte do homem existe um sol que ilumina para sempre. Acreditamos que os nossos dias mais belos estão ainda por vir. Somos gente mais de primavera do que de outono: vemos os brotos de um mundo novo antes que as folhas amareladas nos ramos. Não nos refugiamos em nostalgias, arrependimentos e lamentações: sabemos que Deus nos quer herdeiros de uma promessa e incansáveis cultivadores de sonhos".

Eu sou uma pessoa de primavera ou outono?

O Pontífice recomendou como um conselho: "Não esqueçam a pergunta: Eu sou uma pessoa de primavera ou outono? De primavera, que espera a flor, que espera o fruto, que espera o sol que é Jesus, ou de outono, que está sempre com o rosto olhando para baixo, amargurado e, como disse às vezes, com a cara de pimentão no vinagre?".


Para Francisco, o cristão sabe que o Reino de Deus, o seu Senhorio de amor "está crescendo como um grande campo de trigo, mesmo que no meio exista a cizânia. E no final o mal será eliminado":

"O futuro não nos pertence, mas sabemos que Jesus Cristo é a maior graça da vida: é o abraço de Deus que nos espera no final, mas que já agora nos acompanha e nos consola no caminho. Ele nos conduz à grande tenda de Deus com os homens, com tantos irmãos e irmãs, e levaremos a Deus a recordação dos dias vividos aqui embaixo".

Nós choraremos. Choraremos de alegria... porque cultivamos sonhos.

Segundo afirma o Papa, então, "será bonito descobrir naquele instante que nada foi perdido, nenhum sorriso, nenhuma lágrima. Mesmo que a nossa vida tenha sido longa, nos parecerá de ter vivido um sopro. E que a criação não para no sexto dia da Gênesis, mas prosseguiu incansável, porque Deus sempre se preocupou conosco. Até o último dia em que tudo se cumprirá, na manhã em que se enxugarão as lágrimas, no instante mesmo em que Deus pronunciará a sua última palavra de bênção: "Eis que faço novas todas as coisas". Sim, o nosso Pai é o Deus das novidades e das surpresas. E naquele dia nós seremos realmente felizes, e choraremos. sim, mas choraremos de alegria".

E isso tudo acontecerá porque "Nós acreditamos e sabemos que a morte e o ódio não são as últimas palavras pronunciadas sobre a parábola da existência humana. Ser cristão implica uma nova perspectiva: um olhar cheio de esperança (...) sabemos que Deus nos quer herdeiros de uma promessa e incansáveis cultivadores de sonhos". (JSG)


(Da Redação Gaudium Press, com Informações RV)

Autoriza-se a sua publicação desde que se cite a fonte.

terça-feira, 22 de agosto de 2017

A DEPRESSÃO DOS PADRES

Autor: Pe Joacir Soares / Diocese de Formosa
(a respeito do que ocorreu com o pe. Fábio de Melo)

Possivelmente, muitas pessoas viram a reportagem em que o Padre Fábio de Melo declarou estar passando pela síndrome do pânico. Algo me chamou a atenção (tirando a força midiática e o poder manipulador e ideológico que possa estar por trás da matéria)! No fundo, ele se fez porta-voz de inúmeros sacerdotes que também enfrentam a depressão e outras angústias. É algo a ser pensado, pois carregamos muitas aflições e cansaços, muitos pesos e perseguições, muitas humilhações e desesperos, muitos desprezos por falar a verdade! 

Quantas vezes não podemos dizer o que sentimos e o que passamos, pois somos vistos como "máquinas de solução de problemas". Quantas noites choramos escondidos, porque devemos estar sempre alegres! Quantos momentos gostaríamos de ficar descansado e precisamos estar na luta do dia! Quantas vezes o telefone nos incomoda e engolimos o soluço para atender as preocupações e inquietações dos que nos chamam! Quantas ocasiões, como muitas pessoas, não sabemos como pagar contas paroquiais! 

Quantas vezes, a refeição (Ou a marnita) esfria para atender uma pessoa. Infelizmente, o contexto social mostra que a vida de um padre não pode ser frágil e nem triste, não se dá o direito de assumir a dor, a tristeza ou as angústias... Quando muitos descansam, passamos noites em claro pensando nas soluções, nos remédios que temos a oferecer, nas atividades a concluir. 

Um padre também sofre, também se decepciona, também se sente abandonado, também se sente esquecido, também chora e ri!

Querem que sejamos homens de profunda fé, irreparáveis administradores, eloquentes oradores, arquitetos de catedrais, incansáveis animadores (de diferentes eventos), agentes solucionadores de angústias. 

No fundo, com nossos poucos dons, queremos ajudar a proclamar a beleza do evangelho ensinado por Jesus Cristo!

Rezemos pelos padres, pequenos grandes gigantes da fé!!!


Autor: Pe Joacir Soares / Diocese de Formosa