segunda-feira, 10 de dezembro de 2018

AOS (ÀS) LEITORES(AS)

No celular, basta clicar na palavra "Início", aí acima.

Para acessar a versão em SITE deste blog, clique aqui: Evangelho e Catequese

Todos os textos que escrevi estão no site
VIVENDO NAZARÉ

Chegou o tempo da novena do Natal.

NOVENA DE NATAL Nº O2- ÍNDICE

NOVENA DE NATAL Nº 01- ÍNDICE

O TEMPO DO ADVENTO

CARLOS DE FOUCAULD - PE. PAULO RICARDO


O salário de quem se entrega sem freios aos prazeres da vida, pensando que esta existência está feita para ser desfrutada sem preocupações, é um coração pesado e insensível para as coisas de Deus, sobre o qual a morte e o juízo cairão como uma armadilha, quando menos se espera. Felizes os que o descobrem quando ainda é tempo e, voltando-se para o que importa, conseguem escapar e ficar de pé diante do Filho do Homem! Assista à homilia do Padre Paulo Ricardo do dia 1.º de dezembro, e medite conosco, à luz desse ensinamento, a vida do bem-aventurado Charles de Foucauld.

A COROA DO ADVENTO





Redação (Quarta-feira, 05-12-2018, Gaudium Press) A vela sempre teve um significado especial para o homem, sobretudo porque antes de ser descoberta a eletricidade ela era a vitória contra a escuridão da noite. À luz das velas, São Jerônimo traduzia a Bíblia do grego e do hebraico para o latim, nas grutas escuras de Belém onde Jesus nasceu.

Em casa, a noite, quando falta a energia, todos correm atrás de uma vela e de um fósforo, ainda hoje.

Acender velas nos faz lembrar também a festa judaica de "Chanuká", que celebra a retomada da Cidade de Jerusalém pelos irmãos macabeus das mãos dos gregos do rei Antíoco IV.

Antes da era cristã os pagãos celebravam em Roma a festa do deus Sol Invencível (Dies solis invicti) no solstício de inverno, em 25 de dezembro. A Igreja sabiamente começou a celebrar o Natal de Jesus neste dia, para mostrar que Cristo é o verdadeiro Deus, o verdadeiro Sol, que traz nos seus raios a salvação. É a festa da luz que é o Cristo: "Eu Sou a Luz do mundo" (Jo 12, 8). No Natal desceu a nós a verdadeira Luz "que ilumina todo homem que vem a este mundo" (Jo 1, 9).

Na chama da vela estão presentes as forças da natureza e da vida. Cada vela marca um ano de nossa vida no bolo de aniversário. Para nós cristãos simbolizam a fé, o amor e o trabalho realizado em prol do Reino de Deus. Velas são vidas que se imolam na liturgia do amor a Deus e ao próximo. Tudo isso foi levado para a liturgia do Advento. Com ramos de pinheiro uma coroa com quatro velas prepara os corações para a chegada do Deus Menino.

Nessas quatro semanas somos convidados a esperar Jesus que vem. É um tempo de preparação e de alegre espera do Senhor. Nas duas primeiras semanas do Advento, a liturgia nos convida a vigiar e esperar a vinda gloriosa do Salvador. Nas duas últimas, a Igreja nos faz lembrar a espera dos Profetas e de Maria pelo nascimento de Jesus.

A Coroa é o primeiro anúncio do Natal. O verde é o sinal de esperança e vida, enfeitada com uma fita vermelha que simboliza o amor de Deus que se manifesta de maneira suprema no nascimento do Filho de Deus humanado. A branca significa a paz que o Menino Deus veio trazer; a roxa clara (ou rosa) significa a alegria de sua chegada.

A Coroa é composta de quatro velas nos seus cantos presas aos ramos formando um círculo. O círculo não tem começo e nem fim, é símbolo da eternidade de Deus e do reinado eterno do Cristo. A cada domingo acende-se uma delas.

As quatro velas do Advento simbolizam as grandes etapas da salvação em Cristo.

1. No primeiro domingo do Advento, acendemos a primeira vela - vermelha - que simboliza o perdão a Adão e Eva. Cristo desceu a Mansão dos mortos para dar-lhes o perdão.

2. No segundo domingo, a segunda vela - verde - acesa com a primeira, representa a fé dos Patriarcas: Abraão, Isaac, Jacó, que creram na Promessa da Terra Prometida, a Canaã dos hebreus; dali nasceria o Salvador, a Luz do Mundo.

3. A terceira vela - rosa - acessa com as duas primeiras, simboliza a alegria do rei Davi, o rei que simboliza o Messias porque reuniu sob seu reinado todas as tribos de Israel, assim como Cristo reunirá em si todos os filhos de Deus. É o domingo da alegria. Esta vela tem uma cor mais alegre, o rosa ou roxo claro.

4. A última vela - branca - simboliza os Profetas, que anunciaram um reino de paz e de justiça que o Messias traria.

Tudo isso para nos lembrar o que anunciou o Profeta:

"Um renovo sairá do tronco de Jessé, e um rebento brotará de suas raízes.Sobre ele repousará o Espírito do Senhor, Espírito de sabedoria e de entendimento, Espírito de prudência e de coragem, Espírito de ciência e de temor ao Senhor" (Is 11,1-2).

"O povo que andava nas trevas viu uma grande luz; sobre aqueles que habitavam uma região tenebrosa resplandeceu uma luz. Vós suscitais um grande regozijo, provocais uma imensa alegria; rejubilam-se diante de vós como na alegria da colheita, como exultam na partilha dos despojos. 3. Porque o jugo que pesava sobre ele, a coleira de seu ombro e a vara do feitor, vós os quebrastes, como no dia de Madiã. Porque todo calçado que se traz na batalha, e todo manto manchado de sangue serão lançados ao fogo e tornar-se-ão presa das chamas; porque um menino nos nasceu, um filho nos foi dado; a soberania repousa sobre seus ombros, e ele se chama: Conselheiro admirável, Deus forte, Pai eterno, Príncipe da paz. Seu império será grande e a paz sem fim sobre o trono de Davi e em seu reino. Ele o firmará e o manterá pelo direito e pela justiça, desde agora e para sempre. Eis o que fará o zelo do Senhor dos exércitos" (Is 9,1-6).

Por Professor Felipe Aquino


sexta-feira, 7 de dezembro de 2018

O TEMPO DO ADVENTO



(comentário resumido do Missal Romano) 

O TEMPO DO ADVENTO

Com o 34º domingo do Tempo Comum, em que celebramos a festa de Cristo Rei do Universo, termina o Ano Litúrgico.Com o primeiro domingo do Advento se inicia o novo ano litúrgico. Sobre as cores usadas nesse tempo, veja o nosso artigo “Liturgia”, deste blog (site).

O Advento celebra a vida de Jesus Cristo no tempo e na história da humanidade para trazer-nos a salvação. É o tempo da expectativa, e nós somos chamados a vivê-lo em plenitude, totalmente. Dessa forma estaremos recebendo dignamente o Senhor no momento em que ele vier.

Estas devem ser as atitudes interiores que nos preparam melhor para esta vinda:

1- Mantermo-nos vigilantes na fé, na oração.

2- Mantermo-nos numa abertura atenta e disponível para reconhecermos os “sinais” da vida do Senhor em todas as circunstâncias e momentos da vida e até o fim dos tempos.

3- Andarmos no caminho traçado por Deus, sem nos extraviarmos por caminhos tortuosos (cheios de “curvas” e “desvios”), ou seja, convertermo-nos para seguirmos a Jesus para o Reino do Pai.

4- Darmos testemunho da alegria que Jesus Salvador nos traz, com a caridade afável e paciente para com os outros, com a abertura para todas as iniciativas de bem, através das quais já se constrói o Reino futuro na alegria sem fim.

5-Mantermos um coração pobre e vazio de nós mesmos, imitando José, N. Senhora, João Batista, os outros “pobres” do evangelho que, precisamente por isso, souberam reconhecer em Jesus o Filho de Deus que veio salvar as pessoas.

6- Participarmos das celebrações eucarísticas deste Tempo de Advento acolhendo e reconhecendo o Senhor, que continuamente vem ficar no meio de nós, seguindo-o no caminho que leva ao Pai, a fim de que,com sua vinda gloriosa no fim dos tempos, ele nos introduza todos juntos no Reino, para fazer-nos “tomar parte na vida eterna” com os bem-aventurados e os santos do céu.

Aqui dou uma sugestão: Por que você não faz a nossa novena do Natal? Procure o link aqui ao lado do blog (site) e faça-a, mesmo que sozinho (a), se não der para você frequentar algum grupo na comunidade...

NATAL SEM O ANIVERSARIANTE

Charge do Glauco

Vou falar para vocês sobre um amigo meu que, infortunadamente, teve que ir trabalhar num alojamento rude no meio do mato, na construção de uma represa, mas nunca deixou sua religiosidade, sua preocupação em praticar o seu cristianismo.

No seu primeiro Natal no alojamento do mato, já nos anos 2000, cumprimentou um colega de trabalho e ele lhe respondeu dizendo: “Aqui não existe Natal”. 

Jesus nasceu numa cocheira, em meio aos jumentos dos hóspedes daquela pousada em Belém. Foi o melhor lugar encontrado pelo dono para que Maria desse à luz. Os anjos, no céu, acharam estranho ao ver o Deus, que até nove meses atrás adoravam no céu, entre luzes e cores, nascido num cocho de capim, a que enfeitamos um pouco chamando de manjedoura. E foram anunciar o nascimento a rudes e marginalizados pastores.

Os magos chegaram, com seus presentes: ouro  Jesus é rei; incenso:  Jesus é Deus; mirra:  Jesus é homem. Tanto os pastores como os magos eram marginalizados pela sociedade daquele tempo. Os pastores, porque suas ovelhas invadiam as plantações alheias e eles cheiravam a ovelhas; os magos, por não serem do povo de Deus.

O que há de comum entre eles? Eu acho que duas coisas: a marginalização de uma sociedade hipócrita e a simplicidade de vida. Eles eram puros de coração e, como tais, podiam ver a Deus: “Felizes os puros de coração, porque verão a Deus” (Mt 5,8). A humildade do nascimento de Jesus nos ensina o verdadeiro caminho que nos conduz ao céu. Deus ama a simplicidade. Se não fosse assim, não teria nascido numa pobreza daquelas.

A fundadora das Irmãzinhas de Jesus, Irmãzinha Madalena, inspirada no Padre Carlos de Foucauld, aconselhava as suas discípulas a “estarem sempre no presépio, simples e pobres como Jesus”, ou seja, devem deixar de lado o luxo e as coisas supérfluas, deixar de lado a vaidade e a arrogância e abraçar a simplicidade, além do principal, que é estarem sempre na presença de Jesus! Em  Mateus 6,25 a 34, Jesus nos dá uma orientação segura de como poderemos alcançar o Reino de Deus, confiando não nas nossas forças, mas na dele: se buscarmos o seu Reino, tudo o que precisarmos para nossa sobrevivência nos será dado por acréscimo!

Hoje o Natal está deturpado e comercializado. São Nicolau, bispo santo e caridoso, “virou” um papai-noel sem graça nenhuma. O amor e a ternura foram substituídos por presentes, nem sempre dados com sinceridade, e caricaturas de amizade. Muitos transformaram o Natal numa festa pagã e ficam o dia todo de Natal numa “ressaca”, pois já se embebedaram na véspera. Como li num artigo, mudaram-se os votos de “Feliz Natal” por “Boas Festas”, para não incomodar os que não acreditam ou não ligam para Jesus. Por outro lado, muitos passam o seu Natal num leito de hospital ou ao lado de leito de alguém doente.

Muitos do alojamento valorizavam, no Natal, a presença da família, essa família truncada e “decepada” pela falta do “cabeça”, o pai, ou mesmo do irmão e do filho. Sempre é preparada, lá no meio do mato, uma festa com presentes para as crianças, churrasco, bolo, frutas, refrigerantes. Cada trabalhador dá uma quantia de dinheiro para financiar a festa. Não se fala de Jesus. Não há comemoração religiosa, só a familiar, e só com as famílias que podem se deslocar para lá. Poucos são os que podem viajar para as suas cidades. 

Quando o padre pode ir, é celebrada a Missa de Natal, mas sempre alguns dias antes, ou mesmo uma semana antes.  Absolutamente ninguém se lembra do aniversariante. É impressionante! E também deprimente. São pouquíssimos os que praticam a religião. Há muitos evangélicos entre eles, mas evitam essas comemorações, principalmente os da Testemunhas de Jeová (que não comemoram nem seus próprios aniversários e não acreditam na divindade de Jesus).

O desejo do meu amigo era falar-lhes que Jesus nasceu por todos nós, para nos libertar de nossos pecados, de nossas angústias, para dar-nos esperança e confiança. Entretanto, tudo o que conversam é que presente os filhos vão ganhar e o que vão comer na festa.

Ele procurou viver o seu Natal se não na alegria, pelo menos na paz. Essa paz parte da consciência de que estava, como Jesus, num lugar simples, pobre, monstruosamente inseguro e deprimente.


Nos dois primeiros anos, ele fez a celebração de Natal sozinho. No 3° ano, conseguiu cinco amigos e a fizeram juntos. Uma celebração pobre, como aquela manjedoura. Mas, como nunca antes, eles se sentiram no presépio, amados por Deus, na presença dos anjos. Os seis se emocionaram. No pátio, ali ao lado, os outros colegas se empanturravam de carne e refrigerante. O aniversariante não foi lembrado. 

quinta-feira, 6 de dezembro de 2018

SÃO NICOLAU E O PAPAI NOEL



Hoje, dia 06/12, é dia de São Nicolau, que deu origem à lenda do Papai Noel. É interessante a história. Nos países nórdicos, é hoje o dia de trocar presentes. Leia a história:



A história a seguir está recheada com muitas lendas. Ninguém sabe ao certo se ocorreram ou não. Vale a pena ler, pelo menos por curiosidade.... 




Muitas crianças, até hoje em dia acreditam na existência do Papai Noel. Essa figura do folclore mundial está baseada na pessoa do Bispo de Mira, na Lícia, hoje Turquia,  que se tornou santo: São Nicolau, celebrado em 06/12. Em inglês é chamado de "Santa Claus". 

São Nicolau nasceu por volta do ano 275, filho de pais ricos e piedosos. Tornou-se sacerdote da diocese de Mira, onde exerceu seu ministério, desdobrando-se em amor e dedicação na evangelização e conversão dos pagãos, num clima de perseguição religiosa.

Tinha imensa caridade para com os pobres. Distribuiu entre eles a fortuna herdada de seus pais. O que deu origem à lenda do Papai Noel ligada aos presentes é um fato ocorrido em sua vida: 

Três moças não podiam casar-se porque o pai, pobre, não tinha o dote necessário para o casamento, como era costume naquele tempo e naquele lugar.  A única solução que ele via era aconselhar as filhas a se prostituírem para juntarem o dinheiro do dote. 

Sabendo do fato, Nicolau jogou pela janela da casa três bolsas com o dinheiro suficiente para os dotes das jovens. Isso deu motivo à fantasia dos países do norte da Europa de verem Nicolau, sob o nome de Claus (nome em voga até hoje em inglês), um velho de barbas brancas que leva presente às crianças no dia seis de dezembro.

Mais tarde, em outros países, como nos Estados Unidos, esse costume se uniu com a festa do Natal e foi como que "exportado" aos demais países. 

Após a morte do bispo local, Nicolau foi nomeado seu sucessor. Em pouco tempo conquistou a simpatia de todos. Sua caridade, bondade, zelo, espírito de oração o fizeram conhecido em toda a Ásia Menor. Tinha o dom dos milagres, que fez em favor dos doentes. 

Conta-se que chegou a ser preso por Diocleciano por volta de 310 e já estava para ser processado e condenado à morte, quando foi publicado o edito de Milão, em 313, concedendo a liberdade religiosa.

Ele participou do Concílio de Niceia, em 325, contra a heresia ariana, que negava a divindade de Cristo. Nesse Concílio foi definida da divindade de Jesus, consubstancial ao Pai. 

Conta-se também que no início do Concílio o Imperador Constantino ajoelhou-se para beijar as cicatrizes de Nicolau e de outros homens torturados na última perseguição.

Morreu em Mira, no ano 342. Sua biografia foi publicada em 847, com notícias lendárias, como era do gosto popular. Seu corpo está na catedral de Bári, que é dedicada ao grande padroeiro. 

Tornou-se popular também na Rússia, onde foi declarado padroeiro principal. Muitos czares adotaram esse nome, antes da revolução comunista. 

São Nicolau foi muito invocado contra os perigos de incêndio e era padroeiro dos marinheiros. 

(Texto baseado nas informações do livro "O Santo do Dia", de Dom Servílio Conti, IMC.)

terça-feira, 4 de dezembro de 2018

TEMPERAMENTO E CARÁTER



Temperamento é o conjunto de tendências com o qual a gente nasce. Antigamente (anos 60) costumava-se detectar quatro tipos principais de temperamentos: colérico, fleumático, introvertido e extrovertido. Vi na internet, entretanto, que atualmente costuma-se dividir o temperamento nos mesmos quatro tipos, mas com os nomes diferentes. Vou deixar o link para que você possa fazer o teste sobre qual ou quais temperamentos você tem. Está no final da página, antes do tema "A Santidade":


Já o caráter é o conjunto de atitudes que construímos em nós corrigindo ou melhorando nossos temperamentos. Um “homem de caráter” é uma pessoa que consegue dominar suas más tendências e criar em si tendências boas, que repercutam bem e de modo positivo na sociedade ao seu redor.

Desse modo, o colérico vai aprender a se controlar com o fleumático, o introvertido vai aprender a se expressar com o extrovertido. Entretanto, o fleumático vai aprender a reagir melhor aos acontecimentos, com o colérico, e o extrovertido vai aprender a se aquietar mais com o introvertido. E assim por diante.

Formamos o nosso caráter:

1- Por meio da oração diária

2- Por meio do autoconhecimento, para nos conhecermos melhor e captarmos humildemente as nossas deficiências.

3- Combatendo as nossas partes negativas

4- Consultando pessoas com conhecimento no assunto e as que vivem conosco e sabem de nossos defeitos.

5- Treinando nossa força de vontade com pequenas renúncias. Exemplo: ao receber uma carta ou qualquer coisa, não a leia ou não abra o pacote imediatamente: leia-a ou abra o pacote alguns minutos depois. Comer algo de que não gosta (mas que não lhe faça mal). Controlar os doces e as bebidas, as guloseimas, a tevê, a internet, o celular... Levantar-se a uma hora determinada e que não seja muito tarde. Fazer algum exercício de alongamento diariamente, e uma caminhada. Lavar as louças que suja, não as deixando para outra pessoa lavar para você. Lavar as próprias roupas de baixo e as meias (claro que diariamente). Andar a pé num percurso não muito longo, em vez de ir de carro ou tomar o ônibus. Nunca pedir que sua esposa ou que seu filho pegue isto ou aquilo para você. Eles não são seus empregados: levante o traseiro do sofá e vá você mesmo pegar! Etc.

Evite fazer coisas supérfluas e até perigosas moralmente falando. Cuidado com a internet! Não perca muito tempo com baboseiras, mesmo na tevê. Não sei como muitos gostam daquele ridículo programa “zap-zap”, por exemplo!

Os celulares estão nos deixando (“nos” não, porque o meu é desses de cinquenta reais) mais superficiais e vazios, com menos conteúdo. Sei de um padre que parou de celebrar a missa para atender o seu celular. Pode isso??? Jesus deve ter “adorado” a atitude dele!

Fixe para você mesmo algum tempo de oração e leitura espiritual (principalmente da bíblia) e seja fiel a esse horário.

Muitos santos formaram um caráter santo em cima de um temperamento difícil. Exemplos:

S. Francisco de Assis: tinha horror a pobres e leprosos

S. Francisco de Sales- era colérico e tornou-se o santo da paciência

S. Vicente de Paula- percebeu que era burguês e tinha muitas coisas quando precisou fazer uma mudança de casa paroquial: foram necessárias dois carroções para transportar. Daí em diante começou a ser mais pobre.

São Pedro: era colérico e até cortou a orelha de um pobre curioso que via a prisão de Jesus...

Beato Carlos de Foucauld- era milionário e tinha até uma amante francesa, pra ninguém botar defeito. Sabem qual era o nome da tal amante? “Mimi”! Deixou tudo, dinheiro, bebedeira, orgias, e foi ser eremita (sem deixar a vida ativa) no deserto do Saara, entre os tuaregues.

Santa Catarina de Cortona- era mundana, era amasiada com um rapaz e mudou de vida, quando encontrou o corpo tão belo dele putrefato. Tornou-se santa. Uma coisa curiosa é que seu corpo está até hoje intacto, como para nos mostrar que Deus a perdoou plenamente. Veja sua história e seu corpo intacto neste link (vale a pena):


Teste sobre Temperamento

Cada pessoa, seja criança, jovem ou adulto, tem o seu próprio temperamento e isso influencia praticamente todas as áreas da sua vida.

Existem quatro grandes grupos de temperamento: sanguíneofleumáticocolérico e melancólico. Por norma, cada pessoa tem um ou dois tipos de temperamento que são dominantes, mas todos temos um pouco de todos os temperamentos. Existem ainda combinações de temperamento, por exemplo, colérico-melancólico ou fleumático-sanguíneo.

Este teste ajuda-o a identificar qual o seu temperamento dominante assim como os secundários, permitindo-lhe também conhecer um pouco mais sobre cada um e qual a sua combinação natural.

Faça o teste (basta clicar na palavra)para saber qual o seu temperamento e leia outros artigos sobre as principais características de cada um (basta clicar na palavra).




A SANTIDADE

1ª Pedro 1,16: “Sede santos porque eu sou santo (diz o Senhor)”. e no versículo 15- “Como é santo aquele que vos chamou, sede vós também santos em toda a vossa maneira de viver”.

Passemos a nos “enxergar” melhor com o que as pessoas veem em nós, de modo muito humilde. Aceitemos nossos defeitos e combatamo-los, a fim de nos tornarmos pessoas de caráter. Essa é a base da santidade, a que Santa Catarina de Sena e outros santos chamam de “autoconhecimento”.

Para ser santo não é preciso mudar de endereço ou se internar num convento, ou coisa parecida com isso, a não ser que se perceba que se tem uma vocação para esse tipo de vida.

O próprio trabalho que se faz é um caminho de santidade, se o fizermos com amor e alegria. Entretanto, há certos tipos de trabalho quer não se alinham com a santidade: os que se baseiam-no pecados na não observância da lei de Deus. Quem quiser se santificar, deve, então, abandonar esse trabalho desonesto.

Um exemplo de disparate no caminho da santidade é de algumas pessoas que, já na quarta ou quinta união conjugal, dizem que Deus “vai me preparar uma esposa”. Ora, o próprio Jesus disse que abandonar a esposa para se unir à outra é adultério! Como é que ele vai ajudar o dito cujo a pecar? Ou essas palavras de Jesus foram inventadas?

Outra coisa que não dá certo é o que fez o Pai da Igreja Orígenes: ele seguiu à risca Mateus 5,29: “Se teu olho for ocasião de pecar, arranca-o e o joga fora”... etc. Ele castrou-se! Por isso não foi canonizado. A santidade é baseada na luta pessoal, com o auxílio divino. Foi por isso que Jesus disse: “Eu não vim trazer a paz à terra, mas a espada!” (Mateus 10, 34).

Eu cheguei à conclusão que podemos nos santificar no mesmo ambiente em que vivemos, bastando aumentar nosso tempo de oração. É a base dos “Eremitas de Jesus Misericordioso”, em que as pessoas ficam onde estão, mas se comprometem a orar pelo menos 2h 24m diariamente (que é o dízimo de 24 horas) e seguir um tipo de regra. Se você está interessado (a), veja as regras no site Vivendo Nazaré ou no blog Eremitas ...., cujos links se encontram neste site (ou blog).

MAS VEJA BEM!

Tanto viver no próprio ambiente como querer sair dali podem ser pura ilusão da pessoa. A motivação para alguém abandonar o ambiente em que vive para procurar outro ou não ir a algum outro e permanecer onde vive, pode ser uma terrível ilusão, se a pessoa estiver buscando a si própria, ou mesmo buscando “sombra e água fresca” e não Jesus Cristo e seu Reino.

Nossa motivação para sair em busca de uma vida religiosa ou de qualquer outro tipo, em outro lugar, não deve ser por enfado à vida que se leva, ou porque vivemos com pessoas chatas e uma vida pobre.

Do mesmo modo, querer viver onde se mora, quando se tem uma vocação missionária ou religiosa, pode ser simplesmente preguiça ou falta de coragem para seguir o chamado de Jesus.

Em ambos os casos devemos agir pensando em seguir Jesus e o seu Reino, e isso inclui a misericórdia e o trabalho incansável para que o irmão seja feliz.

As fugas não levam a nada, porque nós nos levamos conosco! Não há como fugirmos de nós mesmos, nem de Deus! (Salmo 138/139).

A melhor forma de santificar-se é o viver o AQUI E O AGORA. Viva bem o momento presente, que o seu futuro vai ser bom também. Se vivermos pensando no passado ou no futuro, não vamos viver o momento presente e, portanto, não vamos ter nem futuro nem passado (o passado de amanhã é o hoje que vivemos agora).

domingo, 25 de novembro de 2018

O CAMINHO DO ROSÁRIO



Fui conferir para vocês o Caminho do Rosário, de Aparecida. Gostei muito! É todo plano, próximo ao Santuário, paralelo com o rio. Você o acessa pela passarela branca, que liga o Santuário com o Hotel Rainha e a cidade do romeiro. Amigos (as), vale a pena rezar aí o Rosário. É como se você estivesse vendo a cena. Formidável! (Se as fotos não estiverem aqui, por favor, vejam-nas no nosso site clicando AQUI)




anunciação

visita a Isabel

nascimento de Jesus

apresentação de Jesus no templo

perda e encontro de Jesus (saiu cortada. Desculpem)


agonia de Jesus no horto

flagelação de Jesus

coroação de espinhos

Jesus sobe o calvário

Jesus é crucificado


a ressurreição

ascensão

vinda do Espírito Santo

assunção de Maria

coroação de Maria


batismo de Jesus

bodas de Caná

Jesus anuncia o seu Reino

Transfiguração

Instituição da Eucaristia

detalhe da agonia de jesus no horto


detalhe das bodas de Caná

detalhe da crucifixão


passarela branca para chegar até lá




terça-feira, 20 de novembro de 2018

OS VÁRIOS TÍTULOS DE MARIA


20/11/18 

É comum ouvirmos, no final dos terços nas igrejas ou em outros lugares em que o estão rezando, a pessoa que está coordenando dizer:”N.Sra. Aparecida, rogai por nós. N. Sra. de Fátima... N.Sra. de Lourdes...” etc. Isso é algo desconfortável, pois Maria é uma só. Não se deve fazer isso. Acho que a melhor invocação é a que N. Sra. mesma ensinou nas aparições a Santa Catarina Labouré: “Ó Maria concebida sem pecado, rogai por nós que recorremos a vós”. Se foi Maria quem a ensinou, por que não utilizá-la, ao invés de repetir várias vezes títulos diferentes da mesma pessoa? 

Você pode me dizer: “E a ladainha”? Eu lhe respondo: na ladainha ocorre algo diferente. Nós estamos conscientes de que é a mesma N. Sra. mas invocamos todas os atributos dela, e as invocações são baseadas nesses atributos. Ou seja: na ladainha não pedimos a N. Sra. Aparecida, N. Sra. de Fátima etc., mas lembramos as suas virtudes e valores: Mãe puríssima, Mãe castíssima, Torre de Marfim, Arca da Aliança... Perceba como isso é diferente. 

Quanto aos seus vários títulos, é compreensível e não há problema. Aliás, eu tive a ideia de escrever este artigo hoje, quando recebi no ruatizape uma conversa interessante sobre os títulos de Maria. Vejam: 

“Uma ótima resposta quando criticam os católicos por causa de Nossa Senhora. 

Uma jovem estava na porta do elevador aguardando, quando apareceu a sua vizinha de porta. Cumprimentaram-se e, puxando conversa, a jovem falou: Estou indo rezar o terço de Nossa Senhora. 

Para seu espanto, ouviu a vizinha perguntar-lhe: 

- De qual delas? Vocês inventaram tantas... 

A jovem engoliu a seco a zombaria, ofereceu aquele momento desagradável a Deus, e começou a falar-lhe: 

- Você tem seu nome, mas como é que sua filha chama você? 

Antes que ela respondesse a jovem continuou: 

- Chama você de 'mamãe'. E a sua neta a chama de 'vovó'. Seu marido chama você de 'meu bem' ou, quem sabe, de algum apelido carinhoso. Para mim, você é a minha 'vizinha'. Para o zelador do prédio, a 'moradora do 602'. Sua mãe chamava você de 'minha filha querida' ... 

O elevador chegou, elas desceram juntas e a jovem ainda lembrou-a do médico que a chamava de minha 'paciente', do feirante que a chamava de 'freguesa', do comerciante que a chamava de 'cliente' e etc. 

A vizinha estava visivelmente aborrecida com a lição. Quando ia afastar-se ainda ouviu: 

- Se você vizinha, tem tantos títulos, imagine aquela que é a Mãe de Jesus, a rainha do Universo?!”. 

Pode chamar Maria do título que você mais gosta, mas não repita esses títulos quando for pedir que ela “rogue por nós”, a não ser na ladainha.

segunda-feira, 19 de novembro de 2018

COMO VIVER JÁ O PARAÍSO

NOSSA SENHORA DISSE PARA VICKA: “O PARAÍSO SE VIVE JÁ AQUI SOBRE A TERRA”



Vicka, Nossa Senhora visita esta cidadezinha já há 23 anos [1994] e nos deu muito. Alguns peregrinos, porém, se limitam somente a “pedir” e nem sempre escutam os pedidos de Maria: “Você, o que dá a Mim?”. Qual é a sua experiência sobre isto ?

O homem está em contínua busca de algo. Se pedimos o amor verdadeiro e sincero a Maria que é a nossa Mãe, Ela está sempre pronta a nos dar, mas em troca Ela espera também algo de nós. Sinto que hoje, de modo especial, vivemos um tempo de grandes graças, no qual o homem é convidado não somente a pedir mas também a agradecer e a dar. Não estamos ainda conscientes de quanta alegria existe nesta oferta. Se eu me sacrifico por Nossa Senhora (porque ELA nos pede) sem pedir nada para mim mesma, e depois eu peço pelos outros, sinto no coração uma alegria especial e através da oração, doar-se: o restante será dado no momento correto (justo).

Geralmente, em uma vida de sofrimento, o homem procura um remédio ou uma maneira de sair disso.

Nossa Senhora me explicou muitas vezes que quando Deus nos dá uma cruz – a doença, o sofrimento, etc – deve ser acolhida como um grande presente. .Ele sabe porque a confia a você e quando a tirará: O Senhor procura somente a nossa paciência. Sobre este assunto Nossa Senhora diz: “Quando o dom da cruz chega, vocês não estão prontos a acolhê-lo, vocês dizem sempre: mas porque a mim e não a outra pessoa qualquer ? Se ao contrário começarem a agradecer e a rezar dizendo: Senhor, obrigado por este dom. Se existe ainda algo para Me dar, estão prontos a aceitá-lo; mas TE peço, me dê a força de levar a minha cruz com paciência e amor… e em vocês entrará a paz. Vocês não podem nem mesmo imaginar quanto valor tem os seus sofrimentos aos olhos de Deus.”

É muito importante rezar por todas as pessoas que tem dificuldades em aceitar a cruz: eles tem necessidade das nossas orações, e com a nossa vida e com nosso exemplo podemos fazer muito.

Às vezes acontecem sofrimentos morais e espirituais que não se sabe bem como gerenciar. O que Nossa Senhora ensinou para você nestes anos ?

Devo dizer que pessoalmente estou felicíssima, porque sinto uma grande alegria dentro de mim e tanta paz. Em parte é mérito meu, porque desejo estar contente, mas sobretudo é o amor de Nossa Senhora que me doa. Maria nos pede a simplicidade, a humildade, a modéstia… Tanto quanto me é possível eu me esforço com todo o coração em oferecer aos outros aquilo que Nossa Senhora me dá.

Em seu testemunho você conta frequentemente que quando Nossa Senhora te levou para ver o Paraíso, você atravessou uma espécie de “passagem”. Acredito porém que se nós nos oferecemos e desejamos passar pelo sofrimento, a passagem está presente também em nossas almas, não é assim ??

Certo ! Nossa Senhora disse que “O PARAÍSO SE VIVE JÁ AQUI SOBRE A TERRA, E DEPOIS SIMPLESMENTE CONTINUA”. Mas aquela “passagem” é importantíssima: se eu vivo o Paraíso aqui e o sinto dentro do meu coração, estarei pronta a morrer a qualquer momento no qual Deus me chamar, sem fazer condição. ELE deseja nos encontrar prontos a cada dia, mesmo que ninguém possa saber quando chegará. Então a “grande passagem” não é algo além da nossa prontidão. Mas existe também aquilo que poe resistência e luta contra a ideia da morte. Por isto com o sofrimento Deus nos oferece uma chance: nos dá o tempo e a graça para vencer a sua batalha interior.

Ás vezes porém o medo prevalece.

Sim, mas o medo não vem de Deus ! Uma vez Nossa Senhora disse: “Se vocês sentem no coração a alegria, o amor, a satisfação, significa que estes sentimentos vem de Deus. Mas se chegam as inquietudes, insatisfações, ódio, tensão, devem saber que estes vem de uma outra parte”. Por isto devemos sempre discernir, e assim que a inquietude começar a girar na cabeça, no coração e na alma, devemos logo jogá-la fora. A melhor arma para tirá-la é o Rosário nas mãos, a oração feita com amor.

Você fala do Rosário, mas existem diversos modos de rezar.

Com certeza, mas o que Nossa Senhora nos recomenda é o Santo Rosário, e se Ela nos sugere significa que Lhe agrada ! Todavia, qualquer oração é boa se é feita com o coração.

Você pode nos falar do silêncio ?

Não é muito fácil porque não estou quase nunca em silêncio ! Não porque não o amo, porque o tenho como muito bom: no silêncio o homem pode interrogar a própria consciência, pode recolher-se e escutar a Deus. Mas a minha missão é a de encontrar-me com as pessoas e cada pessoa me pede uma palavra. O silêncio maior se cria quando a um certo ponto do testemunho, convido as pessoas a silenciar, enquanto eu rezo por todos os seus problemas e dificuldades. Este momento dura cerca de 15 ou 20 minutos, até mesmo meia hora. Hoje em dia o homem não tem tempo de parar para rezar em silêncio, por isso proponho esta experiência, de modo que cada um possa encontrar um pouco a si mesmo e olhar para dentro. Depois, pouco a pouco, a consciência dará o seu fruto. As pessoas dizem que ficam muito contentes porque naqueles momentos se sentem bem, como se estivessem no Paraíso.

Parece porém que às vezes quando estes momentos de “eternidade” terminam, as pessoas recomeçam a falar e a distrair-se, perdendo a graça que tinham recebido na oração…

Infelizmente ! Sobre este assunto Nossa Senhora diz: “Muitas vezes os homens escutam a Minha mensagem com um ouvido e depois fazem sair pelo outro, enquanto no coração não permanece nada !”. Não são importantes os ouvidos, mas o coração: se o homem deseja mudar a si mesmo, aqui existem muitas possibilidades; se, ao contrário, busca sempre o melhor para si mesmo, permanecendo egoísta, torna vazias as palavras de Nossa Senhora.

 Conte-nos dos seus encontros com Ela. Vocês rezam ? conversam ?

A maior parte das vezes os nossos encontros são constituídos apenas de oração. Nossa Senhora ama rezar o Creio, o Pai Nosso, o Glória ao Pai… nós também cantamos juntos… também ficamos em silêncio! Antes Maria falava mais, mas agora prefere a oração.

O homem tem uma grande necessidade da alegria, mas hoje frequentemente se encontra triste e insatisfeito. O que você sugere ?

Se rezamos com o coração sincero a fim de que o Senhor nos dê a alegria, esta não nos faltará. Em 1994 tive um pequeno acidentes: para salvar do fogo uma avó e seu netinho, fui gravemente queimada. Era realmente uma situação terrível: as chamas tinham me queimado os braços e o busto, o rosto e a cabeça… No hospital de Mostar [cidade próxima a Medjugorje] me disseram que eu teria que sofrer uma cirurgia plástica. Enquanto a ambulância corria, disse para a minha mãe e à minha irmã: cantem um pouco ! A reação delas foi de surpresa: mas como você pode cantar neste momento, não vê que está desfigurada ? Então eu respondi: mas alegrem-se, agradeçamos a Deus !

 Quando chegamos ao hospital, me disseram que não mexeriam em nada… Uma amiga me vendo disse: você está realmente mal, como pode permanecer assim ? Mas eu respondi serenamente: se Deus deseja que eu permaneça assim, eu o aceitarei em paz. Se ao contrário deseja que tudo seja curado completamente, significa que este episódio foi um dom para que eu salvasse a avó e a criança.

 Posso dizer também que estou no início da minha missão, na qual eu devo servir somente Deus. Acreditem em mim: depois de um mês não existia mais nada, nem mesmo uma pequena cicatriz ! Eu estava realmente felicíssima !!! Todos me diziam: mas você se olhou no espelho ? Eu respondia: não e não o farei… Eu me olho por dentro: sei o que se encontra no meu próprio espelho ! Se o homem reza com o coração e com o amor, a alegria não nos faltará nunca. 

Mas hoje se está sempre mais ocupado com as coisas que não são importante e se foge daquilo que dá alegria e felicidade. Se a família coloca em primeiro lugar as coisas materiais, não poderão nunca esperar na alegria porque a matéria a retirará; mas se desejamos que Deus seja a Luz, o Centro e o Rei de nossa família, vocês não precisam temer: a alegria ali estará. Mas Nossa Senhora infelizmente está triste, porque hoje Jesus está em último lugar nas famílias, ou até mesmo não tem lugar !!!

Talvez algumas vezes exploremos Jesus, ou queremos que ELE seja como estamos esperando.

Não é tanto exploração, é um teste de força. Diante das diversas situações nós logo dizemos: “Mas isto eu posso fazer também sozinho ! Porque eu devo procurar Deus se algumas vezes eu mesmo posso estar em primeiro lugar ?”. Isto é uma ilusão, já que não nos é dado passar por cima de Deus; mas ELE é tão bom e simples que nos permite – como se faz com uma criança – porque sabe que cedo ou tarde retornaremos a ELE. Deus dá ao homem uma liberdade completa, mas ELE permanece aberto e espera sempre o nosso retorno. Você vê quantos peregrinos vem aqui todos os dias. Pessoalmente não digo nunca a ninguém: “você deve fazer isto ou aquilo, deve acreditar, deve conhecer Nossa Senhora… Se me pedem eu lhes digo, mas isto permanece na sua livre vontade. E, então, se Nossa Senhora te trouxe até aqui, significa que espera de ti também alguma coisa ! Você deve descobri-lo sozinho, em seu coração, aquilo que Ela espera de você !

Nos fale dos jovens. Frequentemente nos seus testemunhos você fala deles.

Sim, porque os jovens encontram-se em uma situação muito, muito difícil. Nossa Senhora disse que podemos ajudá-los somente com o nosso amor e com a nossa oração; Ela diz a eles: “Queridos filhos, tudo isto que o mundo hoje lhes oferece passa. Estejam atentos: satanás deseja usar cada momento livre para si mesmo.” Neste tempo o demônio está particularmente ativo entre os jovens e nas famílias, ele deseja sempre mais destruí-la.

Como o demônio age nas famílias ?

As famílias estão em perigo porque não existe mais diálogo, não existe mais a oração, não existe existe nada ! Por isto Nossa Senhora deseja que se renove a oração em família: pede que os pais rezem com os filhos e os filhos rezem com os pais, assim satanás é desarmado. Esta é a base da família: a oração. Se os pais tivessem tempo para os filhos, não existiram mais problema; mas hoje os pais deixam os filhos sozinhos a si mesmos para terem mais tempo e por tantas coisas estúpidas e não compreendem que assim os filhos se perdem.

Obrigada. Você quer acrescentar mais alguma coisa ?

Que rezarei por todos vocês, especialmente aos leitores do Eco de Maria: os apresentarei a Nossa Senhora.

Que a Rainha da Paz os abençoe com a Sua paz e com o Seu amor. Uma grande e sincera saudação de coração de Vicka.

Enviado pelo Gabriel Paulino. Eis a oferta dele: